Contra a covid-19, Porto de Salvador recebe protocolo utilizado em guerras

(Foto: Tiago Caldas/CORREIO)

O inimigo está no ar. Por isso, o Porto de Salvador, na Cidade Baixa, passou nesta segunda-feira (8) por uma descontaminação para o coronavírus similar ao que se faz em situações de guerra. Pela manhã, o serviço foi feito por um grupo de militares especializados em defesa Nuclear, Biológica, Química e Radiológica (NBQR), ligados ao Comando Conjunto Bahia – Marinha, Exército e Força Aérea.

O grupo é capacitado para resposta imediata a uma ameaça, incidente/acidente ou desastre envolvendo agente nuclear, biológico, químico e radiológico. “Estamos numa guerra contra um inimigo invisível. A ação de hoje é preventiva, mas é a mesma usada numa situação de guerra, no caso do uso proposital de um agente biológico”, declarou o capitão tenente da Marinha do Brasil Cyro Lima, responsável pela ação de descontaminação do Porto de Salvador, administrado pela Companhia das Docas do Estado da Bahia (Codeba).

No local, onde circulam cerca de mil pessoas por dia, há dois casos confirmados de covid-19 – um funcionário da própria Codeba e um de uma empresa terceirizada. Também há dois casos suspeitos, de um funconário da Codeba e um estagiário.

O Porto de Salvador é conhecido pelo seu potencial exportador de produtos e suas atividades de movimentação de contêineres e cargas gerais, além de receber cruzeiros marítimos nacionais e internacionais. É um dos maiores exportadores de frutas do Brasil, com expressiva participação no comércio exterior. 

O grupo é capacitado para dar resposta imediata a uma ameaça  (Foto: Tiago Caldas/CORREIO)  

Esta não é a primeira vez que o grupo de militares especializados em defesa NBQR age na Bahia. “Essas ações que estão sendo empregadas hoje, foram também usadas de forma preventiva na Copa do Mundo (2014) e na Copa das Confederações (2013)”, complementou Lima. 

A ação foi realizada pelo Comando Conjunto Bahia – formado pela Marinha do Brasil, Exército Brasileiro e Força Aérea Brasileira –, que visa apoiar as ações de saúde e segurança pública contra a covid-19. 

Além do Porto de Salvador, a descontaminação será realizada no Porto de Aratu nesta quarta-feira (10). De grande importância para a atividade econômica do estado da Bahia, o Porto de Aratu dá suporte à importação e exportação de produtos em sua estrutura composta por quatro (4) terminais.

Descontaminação
A descontaminação aconteceu no Porto de Salvador em cinco locais: o prédio da administração da Codeba, nos portões de acesso 1, 2 e 3 e em um alojamento. “Esses locais foram escolhidos devido ao fluxo maior de pessoas. Para isso, foi necessário a liberação das pessoas”, disse o capitão tenente da Marinha do Brasil Cyro Lima. Segndo a Codeba, como a ação foi planejada, foi feito umaorganização para interditar as áreas no momento da desinfecção de modo a não afetar os serviços.

A área destinada para receber cruzeiros marítimos nacionais e internacionais passará pelo mesmo processos, mas não agora. “Como as atividades lá estão suspensas já há algum tempo, não há necessidade de urgência, mas acredito que antes de normalizar faremos a descontaminação lá também”, declarou Lima. 

Os militares usam trajes especíificos para ações NBQR
(Foto: Tiago Caldas/CORREIO)

Com trajes específicos para ações NBQR, 15 militares começaram o trabalho de descontaminação por volta das 10h. Usando um macacão branco impermeável, com luvas e botas de plástico e máscaras de longa duração, eles iniciam com a pulverização em salas, corredores, escadarias e outros pontos de concentração de pessoas.

“Cada agente específico em um tipo de descontaminação. No caso do novo coronavírus, a pulverização é mais agressiva por conta do vapor de cloro que fica mais concentrado e que consegue abranger mais o alvo. Será feita também a higienização de maçanetas e corrimãos com o uso do álcool”, explicou Lima.
 

Fonte: Correio