Veja o momento em que Fabrício Queiroz é preso em SP

Imagens da Polícia Civil de São Paulo mostram como foi a prisão do ex-assessor parlamentar Fabrício Queiroz, em Atibaia, no interior do estado. Considerado homem de confiança dos Bolsonaro, ele é apontado como responsável por organizar um esquema de “rachadinha” no gabinete do filho mais velho do presidente, Flávio, quando este era deputado estadual no Rio de Janeiro.

Flávio comentou a prisão, afirmando estar tranquilo e dizendo que se trata de uma tentativa de atacar o pai. “Encaro com tranquilidade os acontecimentos de hoje. A verdade prevalecerá! Mais uma peça foi movimentada no tabuleiro para atacar Bolsonaro. Em 16 anos como deputado no Rio nunca houve uma vírgula contra mim. Bastou o Presidente Bolsonaro se eleger para mudar tudo! O jogo é bruto!”, escreveu ele no Twitter.

O presidente comentou as acusações contra Queiroz em discurso que fez quando o ex-ministro Sergio Moro se demitiu. 

“O caso Queiroz: eu conheço o Queiroz desde 1984, no 8º Grupo (de Artilharia) de Campanha Paraquedista. Foi para a Polícia Militar. Depois de um tempo, fizemos amizade, veio trabalhar comigo, com meu filho. O que porventura ele faz, ele responde pelos seus atos. Não foi por uma, foi por duas vezes que o Queiroz teve dívida comigo. Me pagou com cheque e não veio para a minha conta esse cheque porque simplesmente deixei no Rio de Janeiro. Senão estaria na minha conta. E não foram R$ 24 mil, foram R$ 40 mil”, afirmou, fazendo referência a uma depósito de R$ 24 mil feito na conta da primeira-dama, Michelle.

Ele negou que tenha pedido algum tipo de proteção para o filho. “Desde o primeiro momento, não é porque uma pessoa porventura faz algo de errado e está do nosso lado, (que) você tem que ser responsabilizado e o tempo todo ser cobrado por isso. Nunca pedi para blindar ninguém da minha família. Jamais faria isso”, garantiu.

Há menos de um mês, Flávio chamou Queiroz de um “cara correto, trabalhador”. Em vídeo que gravou para as redes sociais, publicado em 26 de maio, ele rebatia acusações do governador do Rio, Wilson Witzel. 

“Onde eu ia, você ficava ligando para o Queiroz, botava assessor para ligar para ele pra saber onde eu estava, para ir atrás de mim na campanha. Porque sabia que o Queiroz estava do meu lado trabalhando, um cara correto, trabalhador. Dando o sangue por aquilo que ele acredita”, falou Flávio no vídeo.

Fonte: Correio