Covid-19: Brasil bate marca de 1 milhão de casos confirmados

O Brasil bateu a marca de 1 milhão de casos confirmados, chegando a 1.032.913 confirmações. Segundo balanço diário do Ministério da Saúde divulgado hoje (19), com 54.771 novos casos, o país chegou a 1,03 milhão de pessoas infectadas. O número marca um aumento de 5,5% em relação a ontem, quando o ministério contabilizava 978.142 pacientes nesta condição.

A atualização da pasta também registrou 1.206 novas mortes registradas em função da covid-19. Com esses acréscimos às estatísticas, o país chegou a 48.954 óbitos em função da pandemia do novo coronavírus. O número marcou um crescimento de 2,5% no número de mortes em relação a ontem (18), quando o total estava em 47.748.

Os registros são menores aos domingos e segundas-feiras em função da dificuldade de alimentação dos dados aos fins-de-semana, e quantidades maiores às terças-feiras, em razão do acúmulo de notificações atualizadas no sistema.

A taxa de letalidade (número de mortes pelo total de casos) ficou em 4,7%. A mortalidade (falecimentos por 100.000 habitantes) foi de 23,3. Já a incidência (casos confirmados por 100.000 habitantes) ficou em 491,5. Do total, 476.759 estão em observação e 507.200 foram recuperados.

Estados
São Paulo lidera entre os estados com maior número de mortes, com 12.232, seguido por Rio de Janeiro (8.595), Ceará (5.460), Pará (4.469) e Pernambuco (4.102). Ainda figuram entres as unidades da federação com altos índices de óbitos em função da pandemia Amazonas (2.624), Maranhão (1.645), Bahia (1.305), Espírito Santo (1.265), Alagoas (848) e Paraíba (724).

A lista dos estados com mais casos é: São Paulo (211.658), Rio de Janeiro (93.378), Ceará (89.863), Pará (80.072) e Maranhão (68.500).

Bahia
A Bahia ultrapassou a marca de 1,3 mil mortes em decorrência do novo coronavírus. A Secretaria da Saúde (Sesab) anunciou mais 42 óbitos nesta sexta-feira (19), elevando o total do estado para 1.305 fatalidades. Os dados também apontam que  2.345 casos de covid-19 foram registrados nas últimas 24 horas. Com isso, já são 43.922 infectados desde o início da pandemia.

De acordo com a Sesab, o boletim epidemiológico desta sexta-feira (19) apresenta dados acumulados devido à instabilidade ocorrida no sistema e-SUS, do Ministério da Saúde, na última quinta-feira (18). Isso afetou o levantamento e catalogação dos casos ambulatoriais da covid-19 em todo o Brasil.

Só nessa semana, entre a última segunda-feira (15) e essa sexta, a Sesab confirmou 160 mortes na Bahia. O aumento corresponde a 14%. Em relação aos contaminados, foram 6.302 diagnósticos de covid-19 no estado neste mesmo período, crescimento de 16,8%.

Entre os 43.922 infectados, 20.589 já são considerados curados, o que corresponde a 46,9% do total de casos. Destes recuperados, aliás, 2.238 foram registrados nas últimas 24 horas, uma elevação de 12,2% em relação à véspera, quinta-feira (18). Outros 22.028 pacientes (50,2%) ainda apresentam sintomas da doença e seguem monitorados.

Os casos confirmados ocorreram em 357 cidades do estado, com maior proporção em Salvador (53,61%). Os municípios com os maiores coeficientes de incidência por 100.000 habitantes foram Ipiaú (1.113,95), Itajuípe (1.005,32), Uruçuca (1.003,95), São José da Vitória (901,54) e Salvador (771,32).

Na Bahia, 5.992 profissionais da saúde foram confirmados com a covid-19.

Dos 2.120 leitos disponíveis do Sistema Único de Saúde (SUS) exclusivos para pessoas com o novo coronavírus, 1.314 estão ocupados (62%) Entre os 872 leitos de UTI adulto e pediátrico destinados apenas a infectados, 668 possuem pacientes internados (77%).

“Cabe ressaltar que o número de leitos é flutuante, representando o quantitativo exato de vagas disponíveis no dia. Intercorrências com equipamentos, rede de gases ou equipes incompletas, por exemplo, inviabilizam a disponibilidade do leito. Ressalte-se que novos leitos são abertos progressivamente mediante o aumento da demanda”, informa a Sesab.

Entre as 42 mortes registradas nas últimas 24 horas, apenas oito aconteceram entre segunda-feira (15) e esta sexta (19). As outras aconteceram em um período que começou no dia 16 de maio, segundo os dados da Sesab.

MinistérioEm nota, o Ministério da Saúde informou que o aumento no número de casos registrados de quinta pra sexta se deu, em parte, devido a uma instabilidade na rotina de exportação dos dados relatados, principalmente, pelos estados da Bahia, do Rio de Janeiro e de São Paulo na última quinta-feira (18). A nota do ministério informa que, juntos, os três estados representaram um incremente de 27.436 casos novos em relação ao dia anterior.

O ministério explicou, em nota, que existem duas formas de exportação de dados do sistema e-SUS Notifica: diretamente do aplicativo ou por meio de uma aplicação (API). Este último utiliza tecnologia mais leve e é indicado para grandes volumes de dados, que é o caso de secretarias estaduais de Saúde e de grandes municípios. “Ocorre que algumas unidades da federação utilizaram o aplicativo para exportação de dados, o que não é recomendado”, diz o ministério.

Segundo a nota, o ministério orientou “estas localidades a usar somente a exportação via API, que já vinha sendo utilizada pelos estados em momentos anteriores. Em todo caso, o Departamento de Informática do SUS (Datasus) trabalha para oferecer esta mesma tecnologia (aplicativo) para os municípios que tenham um grande volume de dados.”

Fonte: Correio