Equipes de TV são afastadas após se aproximarem de Bolsonaro em entrevista

Por medida de prevenção, profissionais de três emissoras de TV que tiveram contato com o presidente da República Jair Bolsonaro (sem partido), durante entrevista de anúncio do diagnóstico positivo para a Covid-19, serão afastados de suas atividades temporariamente. Estiveram com o chefe do Executivo federal nesta terça-feira, 7, equipes de CNN Brasil, Record e da emissora pública TV Brasil. As informações são da Folha de S. Paulo

Anúncio ocorreu no Palácio da Alvorada, onde o presidente recebeu os jornalistas e cinegrafistas de máscara, mas, no fim da entrevista, Bolsonaro se afastou levemente e retirou o equipamento para falar. “Espera um pouco que vou afastar aqui para vocês verem minha cara. Estou bem, tranquilo, graças a Deus”, afirmou o presidente.

A CNN Brasil afirmou, por meio de sua assessoria de imprensa, que o repórter Leandro Magalhães e o cinegrafista Carlos Alberto de Souza ficarão em isolamento por sete dias e só devem retornar às funções profissionais após apresentarem teste negativo para o coronavírus. O mesmo ocorrerá com a equipe da Record.

Conforme a emissora, o repórter Thiago Nolasco e os demais profissionais também ficarão afastados por sete dias e terão de apresentar exame negativo. Já a Empresa Brasil de Comunicação (EBC) disse que os profissionais que estiveram com o presidente Jair Bolsonaro nesta terça-feira, 7, ficarão em isolamento por quatro dias. Após o período, devem realizar a testagem.

“O retorno desses profissionais às atividades será definido oportunamente, de acordo com os resultados. Todos os exames serão custeado pela EBC”, informou por meio de comunicado.

O diagnóstico
Bolsonaro já havia comunicado que estava com sintomas da doença. Ele teria começado a se sentir mal no domingo, 5. No dia seguinte, sentiu cansaço, dor muscular e relatou ter apresentado febre de 38°C . O presidente informou também ter tomado duas doses de hidroxicloroquina, medicamento que não tem a eficácia comprovada contra a Covid-19, mas que, segundo ele, “ajudaram”.

Na coletiva no Palácio da Alvorada, o presidente também disse que cancelou toda sua agenda externa dos próximos 15 dias e passará a despachar por videoconferência. Ele ponderou que receberá funcionários eventualmente apenas para assinar algum documento. E garantiu que seguirá todos os protocolos determinados pelo Ministério da Saúde.

Fonte: Correio