Edgard Abbehusen: 'Quando tudo isso passar eu vou te abraçar forte'

É bom que a gente não esqueça do poder que existe dentro de um abraço. E que muitas pessoas que amamos precisam, nesse momento, saber que querem ser abraçadas.

Outro dia vi uma postagem no Facebook. A moça estava dentro do seu carro e tirou uma foto da varanda do prédio da sua mãe. Por várias vezes ela passou por ali, cheia de pressa, já que era o caminho rotineiro da sua casa para o trabalho. Recusou inúmeros convites para um café, almoço ou jantar. Não tinha tempo, pois sempre estava atrasada ou com muitas tarefas. Hoje, ela tem tempo, mas por conta da pandemia do novo coronavírus e dos cuidados que devemos ter com quem a gente ama, ela não pode ir além daquela fotografia. 

Antes, a gente tinha essa tendência a deixar tudo para depois. A priorizar coisas que, hoje, não fazem sentido. Hoje a gente quer tanta gente por perto, hoje queremos abraçar tão forte e com amor tantas pessoas e, infelizmente, temos que ter o bom senso de manter a distância social até que tudo fique mais seguro.

É bom que a gente ouse a falar do abraço, mesmo que por enquanto, o abraço tenha que ser evitado. É bom que a gente sinta vontade de abraçar, e mais que isso: que a gente diga que tem vontade de abraçar. É bom que a gente não esqueça do poder que existe dentro de um abraço. E que muitas pessoas que amamos precisam, nesse momento, saber que querem ser abraçadas. 
Não esqueça de dizer. De verbalizar. De mandar uma mensagem, de enviar esse texto. Não perde mais tempo. Não perde mais nenhum detalhe de afeto que existe entre você e os seus amigos. Entre você e a sua mãe. O seu pai. Os seus filhos. Ou entre você e aquela pessoa querida que está distante. 

Diga com vontade: QUANDO TUDO ISSO PASSAR EU QUERO É TE ABRAÇAR. 

Um abraço com vontade, com verdade, com saudade. E que você não ouse mais perder tempo com o que não importa. Que você aceite mais convites. Que você aceite mais afeto. Que você aceite doar mais amor ao mundo e as pessoas que te cercam. 
O abraço é poderoso até na intenção. Até na vontade. O importante agora é manter as pessoas seguras. Mas também é muito importante fazer com que as pessoas que amamos sintam-se abraçadas. Queridas. Valorizadas. 

No meio de toda essa loucura e de tempos tão difíceis, o amor pode ser a cura. O colo. O abrigo. O sinal que cada um de nós precisamos para continuar com a esperança dos dias melhores. Se você chegou até aqui, não esqueça. Avise a quem você ama, a quem você admira, a quem você sente saudades: Quando tudo isso passar, pode apostar, eu vou te abraçar bem forte. 

*Edgard Abbehusen é escritor, compositor, redator, baiano, criador de conteúdo afetivo e  autor de livros; Ele  publicará textos exclusivos aos domingos no site do CORREIO a partir do dia 21 de junho. Acompanhe Edgard no Twitter e Instagram

Fonte: Correio