Caso Miguel: Sari é denunciada por abandono de incapaz com resultado de morte

Sari Corte Real foi denunciada nesta terça-feira (14) à Justiça pelo Ministério Público de Pernambuco pelo crime de abandono de incapaz com resultado de morte. O caso é relacionado ao menino Miguel Otávio, de 5 anos, que caiu do nono andar de um prédio de luxo em Recife, no dia 2 de junho, enquanto sua mãe, a empregada doméstica Mirtes Souza, passeava com a cadela da patroa.

A acusação contra a primeira-dama de Tamandaré ainda terá os agravantes do artigo do Código Penal Brasileiro pelo crime “ter sido contra criança em meio à conjuntura de calamidade pública”, provocada pela pandemia do novo coronavírus (Covid-19).

Sari era a responsável pelo garoto no momento do acidente, e sua defesa informou, por telefone, que vai se pronunciar somente após ter acesso à denúncia, conforme noticiou o “G1”. Já os advogados de Mirtes disseram que se pronunciarão por nota sobre a decisão do MPPE.

O inquérito chegou às mãos do Ministério Público no dia 3 de julho com prazo de 15 dias para ser analisado. Por meio do promotor de Justiça Criminal Eduardo Tavares, a denúncia foi apresentada à 1ª Vara de Crimes contra a Criança e Adolescente da capital pernambucana.

O caso gerou comoção nacional e ganhou forte repercussão desde então. Parentes e amigos da família de Miguel fazem forte pressão desde então, como nessa segunda (13), por exemplo, quando realizaram uma passeata por ruas do centro de Recife.

De acordo com a investigação policial, o menino procurava pela mãe quando se dirigiu aos elevadores, e Sari apertou botões de andares superiores do edifício, conforme imagens do circuito interno de segurança.

Com a morte, Sari foi presa em flagrante por homicídio culposo, quando não há intenção de matar, mas acabou liberada após pagar fiança. Em 1º de julho, ela foi indiciada por abandono de incapaz que resultou em morte. Esse tipo de delito é considerado “preterdoloso”, quando alguém comete um crime diferente do que planejava cometer.

Fonte: Agencia Brasil