Comissão da Câmara solicitará desobrigação de teste por lojistas de shoppings

Após reunião com representantes do comércio de Salvador, a Comissão Permanente de Desenvolvimento Econômico, Turismo e Relações Internacionais irá solicitar à Prefeitura de Salvador que não obrigue a realização de testes de coronavírus por lojistas de shoppings de Salvador.

Uma reunião foi realizada nesta quarta-feira (15) por videoconferência e liderada pelo presidente da Comissão, o vereador Claudio Tinoco (Democratas). Também estavam presentes os vereadores Zé Trindade (PSB), Luiz Carlos (Republicanos) e Kiki Bispo (Democratas).

A Comissão ainda entrará em contato com a Secretaria Municipal da Fazenda (Sefaz) para verificar o sistema que está sendo adotado pelo Executivo Municipal para emitir certidões negativas dos empresários. Isso porque os integrantes do comércio participantes reclamaram de uma demora no processo.

A reunião foi a primeira realizada após anúncio do prefeito ACM Neto de um plano de reabertura do comércio de Salvador. De acordo com Tinoco, a ideia é fazer reuniões semanais com integrantes do comércio e do turismo para verificar e intermediar as necessidades. 

Nesta quarta (15) participaram representantes da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado da Bahia (Fecomércio-BA). Dentre eles estavam Kelsor Fernandes, vice-presidente da Fecomércio-BA; Geraldo Cordeiro, vice-presidente da Fecomércio-BA e presidente do Sindicato Atacadista de Materiais de Construção da Cidade do Salvador; além de Leise Scabini, coordenadora da Câmara dos Empresários de Shopping Center da Fecomércio-BA.

“O nosso objetivo com as reuniões é colher o que podemos contribuir do ponto de vista do Poder Legislativo e poder intermediar as demandas e necessidades do setor com o Executivo”, afirmou o vereador Claudio Tinoco, ex-secretário de Cultura e Turismo;

O secretário municipal da Saúde, Léo Prates também participou da reunião fornecendo dados sobre a saúde de Salvador. O gestor destacou que a cidade deve chegar aos 75% de ocupação de UTI nesta semana e a primeira fase do comércio liberados na semana que vem.

“Precisamos ter muito equilíbrio e cautela neste momento. Por um lado temos que dar apoio ao setor produtivo para alavancar a economia e ter emprego na cidade. Por outro lado, temos a maior pressão da história por serviços públicos de saúde, tanto pelo coronavírus mas também por demandas extras de pessoas procurando o serviço público”, afirmou o secretário Léo Prates.

Fonte: Correio