Rodoviários protestam contra demissões após suspensão de ônibus em cidades baianas

Trabalhadores rodoviários do sistema intermunicipal fizeram um protesto a pé, na manhã desta segunda-feira (20), contra as quase 700 demissões ocorridas nestes quatro meses de pandemia, segundo dados da organização, chefiada pelo Sindicato dos Trabalhadores em Transporte Intermunicipal da Bahia (Sinditer). Usando máscaras, os manifestantes saíram em caminhada da região da rodoviária de Salvador em direção à estação Acesso Norte, em Pernambués, pedindo que o governo estadual crie medidas para impedir mais demissões.

Presidente do Sindinter, Euvaldo Alves contou ao CORREIO que a categoria teve, há dois meses, uma reunião virtual com o governador Rui Costa (PT) para discutir as baixas, mas desde então não houve devolutiva. 

Atualmente, das 417 cidades baianas, 380 estão com o transporte suspenso para evitar a disseminação do novo coronavírus no interior do estado. Os sindicalistas dizem que entendem a medida e que querem apenas barrar as sucessivas perdas trabalhistas. O movimento acabou no início da tarde desta segunda e gerou aglomeração e retenção de trânsito.

“Estamos com dificuldades porque as empresas não estão conseguindo pagar os salários. O protesto não foi para pedir para colocar os ônibus para rodar, mas para que o governo nos ajude a barrar as demissões e eles têm condições de discutir isso. Enquanto isso, as vans clandestinas estão cheias, cobrando preços caros. Nós só pedimos que olhem para os trabalhadores e nos deem incentivo para ir segurando enquanto estão em vigência os decretos”, diz o presidente. 

De acordo com o Sindinter, o maior número de baixas na carteira foi na região Sul da Bahia, entre as cidades de Itabuna, Ilhéus e Vitória da Conquista, seguidos por Salvador, que teve mais de 190 demitidos. Ao todo, são mais de oito mil funcionários rodoviários no estado, conforme dados do sindicato. Se a categoria não for ouvida desta vez, o Sindinter promete um segundo manifesto, ainda maior, para o dia 31 de junho, quando encerra a vigência de boa parte dos decretos de restrição de circulação no estado.

A Agência Estadual de Regulação de Transportes da Bahia (Agerba), que gerencia e fiscaliza a mobilidade no estado informou, em nota, que está fazendo cumprir o decreto governamental que suspendeu os transportes e que está esperando que os rodoviários levem até a agência suas reivindicações para um possível acordo.

Fonte: Correio