Ufba mantém aulas presenciais suspensas e aprova semestre suplementar a distância

A Universidade Federal da Bahia (Ufba) terá um semestre suplementar de atividades online, em caráter emergencial e excepcional, a ser realizado até o final de 2020. A decisão foi tomada durante reunião do Conselho Universitário (Consuni) nesta terça-feira (21). 

O semestre suplementar com ensino a distância terá um calendário próprio, a ser definido pelo Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão (Consepe), preservando, para posterior definição, a retomada dos semestres regulares do ano letivo de 2020.

Segundo a instituição, o semestre suplementar foi a alternativa encontrada para retomar atividades protegendo a vida de docentes, discentes, técnicos e terceirizados, uma vez que a pandemia do novo coronavírus vem se estendendo por período mais longo do que se poderia supor em março. 

Foi quando a universidade, seguindo as orientações sanitárias, decidiu pela suspensão das atividades acadêmicas e administrativas presenciais, com a manutenção apenas das essenciais à sua proteção institucional e ao enfretamento de tamanha emergência sanitária.

A nova decisão do Consuni mantém essa suspensão até o final deste ano, haja vista, explica a Ufba, o fato de a pandemia encontrar-se ainda em fase aguda, registrando altos patamares de contaminação e mortes, sem que haja previsão confiável de arrefecimento ou de mecanismo seguro, rápido e universal de imunização.

“A Administração Central ouviu a comunidade e propôs ao Consuni a aprovação, em caráter emergencial e excepcional, de um semestre suplementar de atividades online, com oferta de componentes curriculares e complementares de ensino, pesquisa e extensão, adaptados ou especialmente concebidos para tal formato e que podem, inclusive, quando oportuno, ser ministrados conjuntamente por vários docentes, com compartilhamento de carga horária, sendo ademais garantido aos estudantes adesão e desligamento facultativos, bem como posterior integralização de carga horária curricular”, detalha a instituição em seu site.

Alunos sem acesso à internet
Apesar das medidas para retomar as atividades em meio à pandemia, a Ufba também admite que grande parte dos estudantes não dispõe de condições adequadas de estudo, equipamentos e acesso à internet nos locais onde moram, mas que está buscando saídas para esses problemas. 

“Temos empreendido várias gestões junto ao governo federal para garantia de acesso a estudantes em condição de vulnerabilidade, bem como temos trabalhado institucionalmente para disponibilizar outros recursos disponíveis na UFBA”, informa a instituição.

A universidade menciona a constituição de uma rede de cooperação entre todas as dez instituições públicas de ensino superior com sede na Bahia para compartilhamento de conteúdos e recursos, visando a acolher estudantes e garantir a qualidade de nosso trabalho. 

“Devemos garantir que os estudantes, caso não consigam reunir condições mínimas de acompanhamento dos cursos, possam retomar o semestre presencial, que continua suspenso, sem qualquer penalidade”, garante a nota.

Longa discussão
A proposta aprovada, ainda de acordo com a Ufba, resultou de intenso e constante diálogo com as diversas instâncias da comunidade acadêmica, em reuniões com representantes de todas as unidades. 

Também garante que foi embasada em diagnóstico da atual situação de nossas categorias realizado por meio de questionários, “tendo procurado, ademais, contemplar o conjunto de sugestões e preocupações colhidas através do e-mail ufbaemmovimento@ufba.br”.

Expectativa
A expectativa é de que essa ação mobilize todo o corpo docente e técnico-administrativo da Ufba, respeitadas as diferentes condições de trabalho em regime home office, acesso à internet e familiaridade com tecnologias e recursos de gestão pública e educação a distância. 

“Com isso, procura-se garantir tanto a qualidade do processo de ensino e aprendizagem, própria de uma universidade federal, quanto condições adequadas para o trabalho docente e técnico, sem sobrecarga e desgaste laboral indevidos, no cenário adverso da pandemia”, continua a universidade.

A instituição também reconhece que será necessário ampliar a capacitação de todo o pessoal em tecnologias digitais, e informa que ações nesse sentido serão oferecidas. 

“É também fato que nem todos os professores, técnicos e terceirizados conseguirão reunir, em casa, as melhores condições para desempenhar seu trabalho, e essas limitações serão acolhidas e, na medida do possível, contornadas com compreensão e solidariedade”, continua.

Por fim, a universidade diz reiterar seu “compromisso fundamental e inegociável com a saúde e segurança de sua comunidade” e reafirma sua “luta constante por condições equânimes de acesso de seu corpo discente, além de prezar pelas condições de trabalho de sua comunidade e de procurar, enfim, preservar, mesmo em situação adversa e extraordinária, a qualidade de seu ensino, pesquisa e extensão”. 

Fonte: Correio