Bahia reestreia na Copa do Nordeste em jogo cheio de novas regras

Nos últimos 14 anos, o Bahia nunca havia ficado tanto tempo sem disputar uma partida oficial como em 2020. Lá se foram pouco mais de quatro meses desde a última vez em que o tricolor esteve em campo, no dia 14 de março. E hoje a espera chega ao fim. 

A partir das 20h, o Bahia enfrenta o Náutico, no estádio de Pituaçu, pela última rodada da fase de grupos da Copa do Nordeste. A partida marca o retorno do Esquadrão às competições, interrompidas em março em decorrência da pandemia do novo coronavírus. 

A retomada ainda não estará completa. O “novo normal” para o Bahia e os outros 13 clubes que seguem no Nordestão não têm praticamente nada de normal. Pelo contrário: como o Brasil ainda vive a pandemia de perto, a partida de hoje será cercada de cuidados e novos hábitos.

O primeiro deles é o zelo pela saúde. Por isso, apertos de mão e abraços saem de cena e dão lugar para máscaras e álcool em gel. Seguindo o protocolo estabelecido para o retorno, todos os atletas vão ser testados para o coronavírus antes da partida. E quem estiver no banco de reservas terá que manter distância dos companheiros.

A mudança maior, no entanto, estará nas arquibancadas. Ou melhor, não estará. Para evitar aglomerações, e consequentemente a proliferação do vírus, ainda não vai ser possível rever festa no estádio. Os portões de Pituaçu estarão fechados para os torcedores, que só poderão acompanhar a partida de longe, por transmissões de rádio, TV ou internet.

Clique aqui para saber onde assistir aos jogos da Copa do Nordeste

Para além da nova rotina, a expectativa é para saber como será o Bahia após a pausa forçada. O tricolor vivia bom momento quando as competições foram suspensas. Entre Campeonato Baiano, Copa do Nordeste e Sul-Americana, o time emplacou sequência de nove jogos sem perder.

A parada significou perda do ritmo de jogo, mas também serviu para que Roger Machado pudesse fazer ajustes no time. “A gente trabalhou bastante a parte tática coletiva, muito embora esses 40 dias que a gente ficou trabalhando, em boa parte deles só treinamos individualmente, as táticas individuais foram priorizadas. O longo período sem atividades não é algo que estamos acostumados e nos deu a necessidade de ter alguns cuidados especiais, principalmente com os problemas musculares antes de entrar na preparação propriamente competitiva. Mas o que a gente espera nessa reestreia é que tenha algum tipo de evolução e consiga suportar bem a carga de jogos que será intensa nessa semana”, analisou o técnico.

Nesse sentido, o duelo contra o Náutico será um bom teste para o Bahia. Com 14 pontos, o tricolor já está garantido nas quartas de final da Copa do Nordeste e joga sem pressão extra, ao contrário do rival pernambucano, que precisa vencer para não depender de combinação de resultados no grupo B. 

O objetivo maior do Bahia é ficar em primeiro lugar no grupo A, o que significa cruzar com um adversário teoricamente mais fraco (o quarto do grupo A) nas quartas de final. A vantagem foi reduzida a isso, pois o mando de campo perdeu impacto com a disputa sem torcida e em sede única, mas sem a Fonte Nova entre os estádios utilizados.

A situação confortável pode dar espaço para Roger fazer mudanças e observar o comportamento dos atletas durante a partida. Entre os considerados titulares, Gregore não está à disposição. Ele cumpre suspensão pelo terceiro cartão amarelo. Ronaldo é o mais cotado para substituir.

Durante os treinos na Cidade Tricolor, Roger chegou a testar Daniel como volante ao lado de Flávio. A mudança deixaria o tricolor com mais qualidade na saída de bola, mas o time perderia em poder de marcação. Jadson e Elton – recuperado de lesão – correm por fora na disputa.

Confirmado mesmo está o meia Rodriguinho. O camisa 10 vai ser titular pela primeira vez em Salvador. Será apenas a terceira partida pelo Bahia. “Não tem mudança tática com o Rodriguinho em campo. Vai apenas mudar a característica da função porque o Rodrigo já tinha atuado nessa função com a gente no último jogo. A característica e movimentação dos jogadores é que precisa de um entrosamento que foi buscado nesses 20 dias de treinos coletivos”, explicou Roger.

A provável escalação do Bahia tem: Anderson, João Pedro, Lucas Fonseca, Juninho e Juninho capixaba; Flávio, Ronaldo e Rodriguinho; Élber, Gilberto e Clayson.

Fonte: Correio