'Não vi abandono nisso', diz Claudia Ohana após devolver cães para ONG

A atriz Claudia Ohana voltou a se manifestar nas redes sociais para tentar explicar uma polêmica em que está envolvida desde que foi acusada por uma ONG de devolver dois cachorros que havia adotado. Ela pediu desculpas, mas afirmou que Thor e Tigrão ficariam apenas temporariamente com a ONG Toca do Bicho, no Rio de Janeiro, porque ela está passando por problemas de saúde. “Confesso que não vi abandono nisso”, escreveu na terça-feira (21).

A ONG publicou um anúncio no final de semana oferecendo dois cães sem raça definida para adoção. O post dizia que os animais foram devolvidos aos sete meses pela adotante. Os internautas reconheceram que eram os cães que Claudia adotou em dezembro de 2019.

Claudia afirmou que ficou chateada ao ver os cachorros oferecidos para adoção, já que alega que os deixou com a ONG temporariamente, porque um problema na colluna impede que ela cuide dos cães adequadamente agora.

A entidade diz que não divulgou o nome da antiga dona dos animais até ela se manifestar. Por conta da repercussão, a ONG explicou que colocou novamente os cães para adoção porque “em mais de um mês de abrigo, a pessoa sequer mandou um zap ou ligou para saber do bem-estar dos filhotes”.

Em áudios divulgados pela ONG, Claudia aparece relatando que os cachorros rosnavam para ela e destruíam móveis da casa. “Infelizmente vou ter que devolver eles. Sei que isso não se deveria fazer, mas estamos num momento complicado”, afirma a atriz em determinado momento.

Com a repercussão negativa do seu vídeo inicial, Claudia voltou a falar do assunto e afirmou que a pandemia de covid-19 tornou mais complicado cuidar dos animais.

“Em dezembro de 2019, adotei dois filhotes de dois meses. Infelizmente, em março, três meses depois do convívio com o Thor e com o Tigrão, a pandemia causada pelo Sars-CoV-2 chegou ao Brasil. Foi quando iniciei o isolamento em minha casa. Trancada em casa, sozinha e sem poder sair na rua para passear com eles, me encontrei em uma situação muito difícil”, diz o texto.

“Em função da extensão da propagação da pandemia, diante da necessidade deles enquanto filhotes, e das minhas limitações de saúde –comecei a ter crises agudas na minha coluna que comprometeram a minha mobilidade–, considerei a opção de devolvê-los. Inclusive, cheguei a falar sobre isso com a Toca do Bicho”, explica.

Ela conta que mudou de ideia sobre a devolução. “Fui em busca de soluções que, além de garantirem que fossem bem tratados enquanto não estivessem comigo, também permitiriam que eles tivessem espaço para correr e brincar. Em um primeiro momento, pensei em mandá-los, temporariamente, para o sítio de um amigo meu de longa data”, afirma a atriz. “Lá, eles teriam mais espaço e poderiam gastar mais energia. Dividi esse pensamento com a Toca e eles me alertaram que eu não poderia fazer isso porque o sítio não tinha muro e que, pelo contrato que assinei com eles, isso era proibido”, continua.

Ela então diz que pensou na ideia de deixar os animais com a ONG por um período de tempo. “Eles mesmos, depois de perceberam que, talvez, eu não tivesse outra opção a não ser devolver, sugeriram que os cachorros ficassem temporariamente o período da pandemia no abrigo, onde estariam acompanhados da mãe e dos irmãos. Opção que aceitei na hora por acreditar que, certamente, lá seriam bem tratados e, inclusive, mais felizes até o momento de retornarem para minha casa”, avalia.

Claudia confessou que depois que os animais retornaram para a ONG, ela se ausentou e não os acompanhou como deveria. “Como eu estava em processo de recuperação e com vários outros problemas, acreditei — e acredito–, que eles não poderiam estar em melhor lugar. Acabei não ligando para saber deles por esse motivo e porque acabei me ocupando com meu estado de saúde”, escreveu.

“Paralelo a isso, ainda que tive que lidar com a internação na UTI de um familiar muito próximo. Não liguei para a ONG Toca do Bicho e errei, sim, por não ligar”, admite a atriz.

“Não quero, de jeito nenhum, travar uma guerra com a Toca do Bicho, pois o trabalho que eles fazem é muito importante, mas confesso que fiquei surpresa ao descobrir, através das redes sociais, que eles tinham colocado o Thor e Tigrão para uma nova adoção sem, ao menos, me consultar”, lamentou.

Ela elogiou a ONG, afirmando que foram compreensíveis com ela e sempre deram bons conselhos. Mas voltou a repetir que não entende que abandonou os cachorros. “Eu tenho um 1,60 de altura e peso 47 quilos. Obviamente, eu passei a encontrar sérias dificuldades de ordem motora para cuidar dos meus doguinhos que cresceram rapidamente e ainda não tinha passado por nenhum processo de adestramento. Confesso que não vi abandono nisso, apenas achei que era a única coisa possível de se fazer em uma situação como a minha”, diz.

Por fim, Claudia afirmou que espera ainda conseguir reaver os cachorros. “Peço desculpas, mais uma vez, com a esperança de encontrar uma solução, o mais rápido possível, para receber os meus dogs outra vez”, diz. A ONG até aqui mantém a postura de que a atriz não poderá ter os cães de volta.

“Sei que, talvez, vocês não entendem minha atitude de ter pedido para eles acolherem os meus cachorros durante a pandemia, mas só sei o quanto me esforcei para dar conta de tudo e o quanto sofri por ter que me afastar deles”, finalizou Claudia.

Fonte: Correio