Roger Machado admite erros do Bahia e elogia defesa do Ceará

A derrota por 3×1 para o Ceará no primeiro jogo da final da Copa do Nordeste, neste sábado (1), em Pituaçu, colocou em evidência o grande número de erros cometidos pelo Bahia nos primeiros 90 minutos da decisão do regional. Após o apito final, o técnico Roger Machado admitiu que as falhas do tricolor impulsionaram o adversário a virar o placar do jogo. 

“Em jogos decisivos, os erros têm que ser zero. Ainda mais em uma decisão equilibrada em que a gente saiu na frente e não conseguiu desfrutar. A inconsistência do jogo e os nossos erros técnicos fizeram com que o adversário ganhasse confiança e voltasse para o jogo depois do empate”, analisou o treinador.

Roger Machado elogiou a eficiência da defesa do Ceará. Na opinião dele, o sistema defensivo do rival anulou a produção ofensiva do Esquadrão. “Os erros de passes foram motivados também muito pela ansiedade do jogo. Outra parte motivada pela defesa adversária, que tirava muitos espaços e a gente tentando forçar um pouco, acelerar um pouco mais o jogo, por vezes a gente errava alguns passes importantes que podiam conectar algumas ações de chegada ao ataque”, afirmou. Nós chegamos com bastante lucidez ao final do campo, acessamos a área do adversário, porém a defesa muito bem posicionada impediu que a gente finalizasse. Eu não vi nenhuma produção tão pequena, tão baixa, para uma final de campeonato”, completou.

O técnico tricolor também pontuou que faltou o brilhantismo individual apresentado em outras partidas. “No dia de hoje, evidente, alguns dos nossos jogadores, que fizeram outros bons jogos, não estiveram no mesmo nível de outros jogos que fizeram bem”, disse sem citar nomes.

Apesar disso, na avaliação de Roger, não houve falta de disposição por parte dos jogadores. “Vontade e disposição sempre há. Eu prefiro analisar o jogo pelas questões técnicas e táticas. Nós temos outra partida importante na terça-feira e estamos dentro da disputa. Na terça-feira é outro jogo. Nós temos a chance de fazer uma história diferente”.

Para ser campeão, o Bahia precisará vencer por três gols de diferença no tempo normal – ou por dois gols e ganhar nos pênaltis. O último e decisivo jogo da final será disputado na terça-feira (4), às 21h30, novamente em Pituaçu. Por causa da pandemia do novo coronavírus, a partida será sem a presença de público.

Fonte: Correio