Nomeado para coordenação de apoio a quilombos é crítico de Zumbi dos Palmares

Victor Hugo Diogo Barboza foi nomeado para comandar a coordenação de articulação e apoio às comunidades remanescentes dos quilombos da Fundação Palmares.

A nomeação foi publicada no Diário Oficial nesta sexta-feira (14) junto com a exoneração de Tauiny Lasmar Moura dos Santos, que estava no cargo desde julho de 2019.

Nas redes sociais, Barboza se apresenta como biomédico, advogado e aluno de Olavo de Carvalho.

Em nota, o Ministério do Turismo, a qual a Secretaria Especial da Cultura e, portanto, a Fundação Palmares estão vinculadas, afirma que “a nomeação é prerrogativa do presidente da instituição e o profissional nomeado é idôneo, qualificado e atende às demandas técnicas do cargo”.

Em uma postagem de 2018 no Facebook, Barboza criticou ao Dia da Consciência Negra ser uma homenagem a Zumbi dos Palmares. 

“Nosso dia da consciência negra é dedicado ao Zumbi dos Palmares, um negro que escravizou os negros em seu quilombo. Está na hora do Brasil resgatar sua verdadeira história e conhecer seus verdadeiros heróis, atribuindo a eles seus feriados patrióticos”, escreveu.

O novo coordenador também escreveu nas redes sociais que “Saci Pererê, Mula sem cabeça e genocídio da mulher negra não existem” e que a violência no Brasil “mata homem, mulher, heterossexual, homossexual, criança sem fazer diferenciação”.

Em outra postagem em que se diz orgulhoso de ser aluno do Olavo de Carvalho e o compara a filósofos como Sócrates e Platão, ele escreve que a “filosofia é o amor ao conhecimento e a busca da verdade, já o bacharelado em filosofia no modelo da USP, é veneração e adoração ao marxismo e suas derivações”. 
       

Fonte: Agencia Brasil