Mourão nega suspensão de combate a queimadas e desmatamento anunciada por Salles

O vice-presidente Hamilton Mourão, que preside o Conselho da Amazônia, afirmou que o ministro Ricardo Salles se precipitou e que não haverá qualquer interrupção das operações de combate ao desmatamento ilegal e a queimadas na Amazônia Legal e no Pantanal. A medida foi anunciada pelo Ministério do Meio Ambiente, entraria em vigor 31 de agosto, e teve repercussão negativa imediatamente.

Mourão disse que conversou com Salles e que espera que o ministro “reflita e chegue à conclusão que não foi a melhor linha de ação a que ele tomou e criou um caso que não era para ser criado”.

“O ministro se precipitou, precipitação do ministro Ricardo Salles”, disse Mourão. “Eu conversei com ele e acabou. A reação dele é que ele tem que entender que não agiu da melhor forma.”

Leia mais: Deputados e ONGs reagem à decisão de paralisar combate a crimes na Amazônia

O vice-presidente disse que Salles viu apenas uma planilha de planejamento da SOF, mas que o recurso “está em aberto, não está bloqueado. É precipitação”.​

“O governo está buscando recursos para poder pagar o auxílio emergencial, é isso que eu estou chegando à conclusão. Então, está tirando recursos de todos os ministérios. Cada ministério oferece aquilo que pode oferecer. Então, o ministro teve uma precipitação e não vai ser isso que vai acontecer. Não vão ser bloqueados os R$ 60 milhões entre Ibama e ICMBio, que são exatamente para o combate ao desmatamento e à queimada ligado ao ministério”, disse Mourão.​

O general insistiu que as operações na Amazônia não serão interrompidas. “Segue o baile conforme planejado”, afirmou Mourão.​

 

 

Fonte: Agencia Brasil