Flordelis tem coleção de perucas que chegam a custar R$ 8 mil

Loira, morena, ruiva… A coleção de perucas de Flordelis, deputada federal acusada de mandar matar o marido, sempre chamou atenção de seu público cristão e agora intriga quem não a conhecia e passou a vê-la no noticiário policial desde a morte do marido, o pastor Anderson do Carmo.

(Fotos: Reprodução/Instagram)

De acordo com o jornal Extra, muitos se questionaram se a deputada federal e pastora se submetia tantas vezes à tintura. Mas o veículo carioca descobriu que Flordelis usa suas perucas por períodos. Durante muito tempo ostentou uma cabeleira loiro mel, com franjas. Todos os modelos que possui são lisos. Quando apareceu cacheada, a pastora recorreu ao babyliss.

Vaidosa, dificilmente saía de casa sem um modelo das chamadas Front Laces. A última aquisição, há pouco menos de dois anos, foi a atual madeixa castanha lisa, com franjão e bem comprida. Esta peruca custou R$ 8 mil e é da mesma marca usada por Beyoncé e mais famosas pelo mundo.

Flordelis: raramente sem peruca

Flordelis: raramente sem peruca
(Foto: Reprodução/Instagram)

Uma versão bem mais simples (e mais curta) está sendo vendida na internet. Aproveitando o marketing em torno do nome da deputada federal acusada de um crime, a peruca Flor de Lis está saindo por R$ 629. Mas, segundo o Extra, já custou cerca de R$ 1 mil até o indiciamento de Flordelis por assassinato.

Peruca similar a de Flordelis é vendida por R$ 629

Peruca similar a de Flordelis é vendida por R$ 629
(Foto: Reprodução/Instagram)

O caso Flordelis 
O inquérito da Polícia Civil que investiga o assassinato do pastor Anderson do Carmo concluiu que a mandante do crime foi a esposa dele, a deputada federal Flordelis.

De acordo com o delegado Allan Duarte, titular da Delegacia de Homicídios de Niterói, São Gonçalo, Itaboraí e Maricá (DHNSGI), no Estado do Rio de Janeiro, na primeira fase da investigação foi identificado como executor o filho biológico da deputada, Flávio dos Santos Rodrigues.

O filho adotivo do casal, Lucas César dos Santos, foi apontado como a pessoa que comprou a arma utilizada no assassinato.

Na segunda fase da apuração, ainda segundo o delegado, novas provas e ações de inteligência constataram que Flordelis foi a mandante do homicídio. A investigação aponta como motivação principal a disputa de poder entre o casal e a emancipação financeira dela.

Flordelis foi indiciada pelo crime de homicídio triplamente qualificado, tentativa de homicídio, falsidade ideológica, uso de documento falso e organização criminosa majorada. Cópia do inquérito será encaminhado à Câmara dos Deputados para a adoção de medidas administrativas.

O pastor Anderson do Carmo foi assassinado no dia 16 de junho do ano passado, dentro da própria casa, no bairro Badu, em Niterói. Na ocasião, Flordelis relatou que o pastor teria sido morto durante um assalto, após o casal ter sido seguido por elementos suspeitos em uma moto.

Flordelis não foi presa por causa da imunidade parlamentar. Ela foi suspensa do Partido Social Democrático (PSD). Uma série de suspeitas que envolve sexo, rituais e hierarquia familiar foram levantadas após o caso vir à tona. 

Fonte: Correio