Moradores de Salvador também relatam tremor: 'balançou tudo aqui em casa'

Salvador não passou ilesa pelo tremor que afetou as cidades baianas na manhã deste domingo (30). Moradores de alguns bairros da capital baiana também relataram ter sentido o abalo por volta das 7h30.

Moradora do Garcia, a aposentada Marlene Cruz disse que assistia televisão quando percebeu o que ocorreu e chegou a se desequilibrar. “Tremeu aqui também. Como estava levantando na hora, me assustei e me segurei pra não cair, porque fiquei nervosa. Foi rápido, mas forte, porque a xícara ficou balançando no pires”, garante.

O mesmo foi relatado pela costureira Selma Pereira Costa, moradora da Lapinha. “Eu estava assistindo Globo Rural com meu esposo quando sentimos o sofá tremendo. Meu filho estava deitado no quarto e sentiu a cama tremendo, além de um estrondo no telhado, como se estivesse balançando. Um objeto também caiu aqui da estante”, detalha.

A vizinha, Rosa Maria Carvalho, também ficou surpresa. “Eu senti uma pressão forte na janela como se estivesse sendo forçada pelo vento, mas de forma contínua, parecia que ia cair. O sofá também tremeu, eu e meu filho sentimos”, conta.

Nos Barris teve quem relatasse um balanço. “Eu senti um negócio estranho, parecendo quando você fica em pé e o chão anda, meio sacolejando. Foi um negócio rápido, não achei tão forte, mas nítido”, disse a estudante Fabiana Andrade.

O tremor não atingiu apenas essa região da capital baiana. Há também registros feitos por moradores da Avenida Paralela. “Aqui não foi nada demais. Eu já estava acordada por volta das 7h10, porém deitada, e, do nada, senti minha cama tremer. Achei que fosse algo com o ar-condicionado e desliguei”, conta Marina Espinheira, moradora do bairro.

No Cabula, o negócio foi mais sério. “Parecia que a janela estava mexendo, a sensação foi de tontura. Também ouvi umas pancadas, como se alguém tivesse dado um murro na parede. Não sei se foi algo que balançou. Eu também olhei pro chuveiro e vi balançando, pensei que estava ficando maluca ou tava passando mal. Depois levantei e fui olhar o Twitter, o povo comentando a sensação ruim. Foi coisa de 10 a 20 segundos”, relata a secretária Jilmara Santos, 38.

Apesar dos registros, a Defesa Civil do município (Codesal) ainda não registrou nenhuma ocorrência provocada pelo “terremoto baiano”.

Tremor no interior
Moradores de cidades do Recôncavo baiano acordaram sentindo a terra tremer. Há relatos de moradores de Santo Antônio de Jesus, Amargosa, Muniz Ferreira, entre outras. Recentemente, no último dia 19, Cachoeira também passou pela mesma situação.

Os tremores ocorreram logo pela manhã, por volta das 7h30. “Tudo na minha casa tremeu. Foi rápido, durou uns dois segundos, mas de início foi uma sensação ruim. Nós, de Muniz Ferreira, nunca presenciamos uma coisa dessas, então ficamos preocupados. Me falaram também de tremores em Nazaré, Santo Antônio de Jesus, Amargosa, Sapaeçu, mas ainda não sabemos a origem disso”, contou o estudante Kaylan Anibal, 19 anos.

O prefeito de Amargosa, Júlio Pinheiro, também sentiu o chão balançar e já acionou as autoridades competentes para entender o que aconteceu. “Sentimos um tremor em Amargosa e há relatos de que isso ocorreu na região inteira. Não sabemos ainda o que aconteceu, estamos buscando junto com a Defesa Civil do estado para ver se algum centro de sismologia registrou”, contou.

Segundo o gestor municipal o tremor foi rápido, mas de grande intensidade. “Foi forte e durou uns três segundos. Foi assustador. Não temos relatos de danos nas ruas ou nas casas, mas estamos com equipes nas ruas para verificar. Fomos informados de relatos da mesma situação em Santo Antônio de Jesus, Mutuípe, Laje, São Miguel, Elísio Medrado”, completa.

Morador da cidade, Rodrigo Matos tomava café com os familiares quando percebeu que havia algo estranho. “Estávamos juntos, tomando café, quando o chão tremeu. Ficamos olhando uns pros outros perguntando se todos sentiram a mesma coisa. Que sensação estranha. Na casa da vizinha as estátuas ficaram batendo umas nas outras depois do tremor”, narra.

O Centro de Sismologia da USP registrou tremores de intensidade 3.7 e 4.2 na cidade.

Em São Miguel das Matas o tremor também foi intenso. O morador Jadson Penine conta que o chão chegou a tremer pelo menos três vezes. “A primeira foi 7h40, foi muito forte, balançou a casa. E agora, umas 8h15, tremeu de novo, forte. E 8h30 deu um fraquinho. Caíram produtos das prateleiras do mercado. Balançou tudo”. A USP também notificou o abalo no município baiano.

O tremor foi ainda mais intenso em Santo Antônio de Jesus. Morador do município, Manoel Souza, 53 anos, diz que estava deitado na cama quando sentiu o chão tremer.

“Eu pensei que era um trator, um rolo compressor passando aqui na rua. Tremeu tudo por uns 20, 30 segundos. Olhei pela janela e vi que não tinha nada na rua, foi muito estranho, tinha vizinho que saiu correndo, desesperado. Nunca passei por isso, é uma sensação muito estranha. Soube que aconteceu também em Ilhéus e Itabuna”, relata. As prefeituras das cidades do sul não confirmam o tremor e estão apurando a situação.

Em São Félix, a manhã de domingo também foi angustiante. A produtora cultural Carine Araújo estava no banheiro quando ouviu os gritos da filha, que acordou assustada com o tremor. “Eu nem acreditei que fosse isso mesmo, porque moro perto da linha do trem, então geralmente acontece do trem encaixar e a gente sentir uns tremores. A questão é que minha filha acordou assustada, segurando na cama como se fosse cair. Eu já tinha levantado, tava no banheiro, ela acordou chorando. Fui olhar nos grupos, todo mundo perguntando se alguém tinha sentido. Minha prima de Muritiba sentiu, meus amigos de Cachoeira”, explica.

Os relatos em Tancredo Neves também chamam atenção. O médico Romerito Duarte estava de plantão em uma unidade de saúde e tirava um cochilo no intervalo, quando foi acordado pelo tremor. “Umas 7h20, eu estava deitado aqui no hospital, quando começou a ter um tremor. Eu acordei e olhei para cima, tem um ar-condicionado que às vezes faz um barulho, mas estava desligado. Olhei para a janela, não tinha nenhuma máquina pesada passando na estrada, que às vezes causa tremor. Aí fui deitar de novo e o pessoal veio bater na porta perguntar se eu tinha sentido alguma coisa. Aí fui entrar na internet e vi tudo que aconteceu”.

Fonte: Correio