Diarista morre um dia após ter a casa reformada por voluntários em Vila Velha

A diarista Marta de Souza foi sepultada na tarde da última segunda-feira (31), em Vila Velha, no Espírito Santo, dois dias após ter sua casa reformada por um multirão de voluntários, que se sensibilizaram com sua honestidade mesmo em situação complicada. Eles se comoveram com a história de seu filho Arthur, de 7 anos, que achou uma mochila com R$ 700 na rua, mas optou por entregá-la à mãe, que mesmo desempregada, a devolveu a um trabalhador que acabara de ser demitido. Ela infartou no último domingo (30) e não resistiu.

Marta Souza morava em uma casa de um cômodo, sem banheiro, com três de seus cinco filhos. Mesmo desempregada e com a renda reduzida devido à pandemia do novo coronavírus (Covid-19), ela fez o possível para devolver o dinheiro ao dono,

À TV Gazeta, Marta contou que, devido à pandemia, viu sua renda diminuir de R$ 2 mil para apenas R$ 600. Também na época, Marta revelou que pouco tempo antes da mochila ser encontrada ela tinha sonhado que o filho encontrava dinheiro.

Seu ato de honestidade chamou a atenção de muitas pessoas, que, sensibilizadas pela situação, resolveram ajudar a família com a reforma da casa. A obra incluiu um banheiro para a família e foi finalizada no último sábado.

Porém, o coração de Marta não aguentou a emoção.

Fonte: Agencia Brasil