Uber vai pedir selfie de passageiro de máscara visando segurança de motoristas

A Uber vai ampliar suas funcionalidades de segurança, incluir checagem de documentos de passageiros e pedir até foto para ver se os usuários estão usando máscara, anunciou a companhia nesta quinta-feira (3).

A principal novidade é a análise do documento de passageiros que não adicionam o cartão de crédito na plataforma. Motoristas reclamam que o pagamento em dinheiro facilita fraudes e assaltos, porque pessoas podem se registrar com e-mail falso, dificultando o rastreio em caso de crime.

A empresa concentrou seus esforços em segurança em 2018, e a questão voltou ao foco no fim do ano passado, quando uma sequência de assaltos e até assassinatos de motoristas ganharam as páginas dos jornais.

Outro mecanismo que hoje só vale para motoristas deve passar a valer também para os passageiros: antes de embarcar, o aplicativo pedirá que o usuário faça uma fotografia do próprio rosto para mostrar que está usando máscara, medida considerada essencial para controlar a disseminação do novo coronavírus.

A pandemia da Covid-19 impactou fortemente a renda dos motoristas, embora a empresa se recuse a divulgar os números de quanto caiu a renda de quem trabalha na plataforma. Segundo a diretora geral da Uber Brasil, Clauda Woods, a divisão de corridas teve perdas de 80%.

A empresa diz que tem 22 milhões de usuários cadastrados e mais de 1 milhão de motoristas e entregadores. Com a pandemia, diz que custeou R$ 11 milhões em assistência a motoristas infectados e que fazem parte de grupos de risco.
Essa queda foi atenuada por outro crescimento, o do Uber Eats, que começou como entrega de comida e, com a pandemia, incluiu delivery de mercados, farmácias e lojas de conveniência, além de incluir pequenos restaurantes que tiveram que recorrer à plataforma para manter seus ganhos de portas fechadas para o público.

“Os mesmos motoristas [que perderam corridas] passam a fazer entrega para Uber Eats, para atender a essa demanda”, diz Woods.

Neste ano, entregadores de aplicativos se organizaram e fizeram protestos e greves por condições melhores de trabalho e diminuição das taxas cobradas. Questionada sobre as demandas, Woods ressaltou a flexibilidade que tem quem trabalha para as plataformas da Uber e a facilidade de entrar para o negócio no momento atual de crise econômica.

“Quando a gente olha para o momento econômico de muitos dos países onde a Uber está presente, com o PIB caindo, com a economia cada vez mais estressada em função da Covid, essa flexibilidade passa a ser mais importante”, afirma Woods.

Para a executiva, não é possível “fugir da importância” que tem “a flexibilidade do momento de trabalho”, seja para complementar renda ou como atividade principal, oferecida pela plataforma. “Prover a oportunidade para mais de 1 milhão de parceiros é extremamente importante”, disse ela, que ressaltou também o Uber Pro, programa de fidelidade que dá desconto em combustível e facilita o aluguel de automóveis, entre outras coisas.

Fonte: Agencia Brasil