Covid-19: Novas mortes registradas em BH podem comprometer flexibilização

Um dia antes do anúncio da prefeitura de Belo Horizonte sobre se vai ou não ampliar a flexibilização do funcionamento do comércio, um alerta foi ligado entre a equipe de infectologistas que auxilia o Executivo. O registro de 17 mortes em 24 horas divulgado no boletim epidemiológico desta quinta-feira (10) chamou atenção do Comitê de Enfrentamento à Epidemia da Covid-19. “Isso é preocupante, porque há semanas que isso não acontecia. Temos que aguardar para ver se confirma uma tendência ou se é apenas um alarme falso”, resumiu o infectologista Estevão Urbano, que integra o comitê. 

O especialista confirma que o número pode influenciar a decisão desta sexta-feira (11) sobre ampliação no funcionamento do comércio de rua. “Acendemos uma luz amarela, redobramos a atenção e aguardamos os próximos dias”, concluiu Urbano. Às 14h dessa sexta-feira (11), a PBH dá uma coletiva sobre a flexibilização.

A expectativa dos lojistas é a ampliação da reabertura, com a permissão do funcionamento das lojas aos sábados, das 9h às 17h, e das 12h às 20h para o comércio de shopping. “Nossa expectativa é muito grande de reabertura aos sábados. É o melhor dia de venda para muitos lojistas. Estamos otimistas”, disse Nadim Donato, presidente do Sindicato de Lojistas de BH (Sindilojas). “Têm que ser feitos alguns ajustes (na flexibilização). Alguns são necessários, (para) corrigir injustiças. Coisas que abrem, coisas que não”, explicou o infectologista Carlos Starling, também do comitê.

Medo de retroceder

Enquanto lojistas buscam a abertura aos sábados, bares e restaurantes, que tiveram reabertura flexibilizada na última semana lutam para conseguir autorização de funcionamento nas noites de dias úteis. “Há casas que só abrem à noite, e essas têm sido bastante prejudicadas”, avaliou Paulo César Pedrosa, presidente do Sindicato de Hotéis, Motéis, Restaurantes, Bares e Similares de BH e Região Metropolitana (Sindhorb). Ele aposta que o anúncio hoje do prefeito Alexandre Kalil será benéfico ao segmento. 

“Nosso pedido é para que se amplie (o horário de funcionamento das casas), mas nossa grande preocupação é não retroceder”, disse chef Flavio Trombino, que é conselheiro fiscal da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel) de Minas Gerais.

Fonte: Agencia Brasil