Entenda a busca pela vacina da covid-19 na Bahia: são 4 projetos

Testes com a Sputnik V estão na última fase

Testes da Sputnik V podem chegar em outubro (Foto: RFPI / Divulgação)

Nenhum outro estado no Brasil tem tantos projetos de vacina para a covid-19 em teste como a Bahia. Mas é como dizem os médicos: é preciso ter cuidado com a pressa. Prova disso é a suspensão do projeto de Oxford, que é o mais avançado do mundo.

Mais de mil baianos já receberam doses dessa vacina. Outros 500 receberam a dose da vacina da Pfizer, outra muito promissora. Além disso, virão por aí dois tipos de vacina chinesa e a vacina russa, que segundo os criadores já pode ficar pronta em novembro.

Nesse podcast, fazemos um resumo de como andam esses quatro projetos em curso na Bahia. Se alguma delas for aprovada, o que acontecerá? O estado vai ter preferência para adquiri-la? E quando isso vai acontecer?

Como ouvir o podcast? Escolha o seu aplicativo favorito:

Para ouvir no Deezer, clique aqui.
Para ouvir no Spotify, clique aqui.
Para ouvir no Apple Podcasts, clique aqui.
Para ouvir no Google Podcasts, clique aqui

Ouvimos o governador Rui Costa e o secretário de saúde do estado, Fábio Vilas Boas; a médica infectologista do CardioPulmonar, Clarissa Cerqueira Ramos e voluntários que aceitaram participar dos testes das vacinas.

Você também pode ouvir no player abaixo ou fazendo o download:

QUE PODCAST É ESSE? O que a Bahia Quer Saber é uma produção diária do CORREIO. Nele, trazemos sempre programas temáticos, debatendo algum conteúdo extremamente local – ou seja, um assunto que interessa direamente à vida de quem mora em Salvador e na Bahia.

MAS O QUE É PODCAST? É um programa de áudio igualzinho a um de rádio, mas que você pode ouvir quando, onde e como quiser – pulando, pausando ou adiantando os trechos, se preferir. Basta ter um aplicativo de músicas (como Spotify), um aplicativo para podcasts (do Google ou da Apple) ou simplesmente dar o play na janela acima.

>> Clique aqui para ver episódios anteriores do O Que a Bahia Quer Saber

Fonte: Correio