Criança de 11 anos morre após pai reagir à ação policial no Ceará

Uma averiguação da Policia Civil, que ocorreu no bairro Nova Metrópole, Caucaia, Região Metropolitana de Fortaleza (RMF), no Ceará, resultou na morte de uma criança de 11 anos e de um adulto. Os agentes teriam ido ao local para verificar uma denúncia de porte indevido de arma de fogo, quando o suspeito supostamente reagiu e policiais revidaram com disparos. O fato ocorreu na tarde desta sexta-feira (11), e deixou ainda duas pessoas feridas, entre elas outra criança, de 9 anos.

De acordo com órgão, dois homens que moravam próximos discutiram e um deles foi à delegacia prestar queixa. Na ocasião, o denunciante alegou que o vizinho tinha uma arma de fogo em casa e chegou a realizar um Boletim de Ocorrência (BO), fazendo com que uma equipe da Polícia Civil fosse até a casa do suspeito para averiguar informação.

Com a chegada dos agentes, o suspeito Wandiney Sales Matos, de 36 anos, entrou em um veículo e avançou contra o portão da própria residência, colidindo também com uma das viaturas que estavam no local. Os policias revidaram com tiros e o homem se rendeu, mas o filho dele, de 11 anos, estava dentro do carro e faleceu na ação.

Uma mulher de 65 anos e uma criança de 9 foram lesionadas, mas receberam socorro e não morreram. Quando os agentes entraram na casa, encontraram ainda um homem morto e apreenderam uma arma de fogo no local.

A SSPDS não esclareceu, contudo, se os óbitos e as lesões foram decorrentes dos disparos efetuados por policiais, assim como não informou se o suspeito teria trocado tiro com os agentes, afirmando apenas que ele avançou com o veículo. O Povo solicitou mais explicações à pasta e segue agora aguardando esclarecimentos sobre o ocorrido.

O episódio ainda está sendo analisado pela perícia, que busca identificar como se deu a ocorrência, investigando as informações preliminares e buscando informações sobre quem teria sido o responsável pela autoria dos disparos.

*Matéria originalmente publicada em O Povo Online, parceiro do CORREIO pela Rede Nordeste

Fonte: Correio