Raio-x de Mano Menezes, o novo técnico do Bahia

Lembra do XV de Campo Bom na Copa do Brasil 2004? Era ele o técnico. Batalha dos Aflitos? Também. Corinthians na época de Ronaldo Fenômeno? Sim, ele mesmo. Quem lançou Neymar na Seleção? Ele de novo. Pois bem, destrinchamos a carreira de Mano Menezes, novo técnico do Bahia contratado nesta semana. Aos 58 anos de vida e 18 de carreira em times profissionais, esse gaúcho de Passo do Sobrado, um pequeno município de apenas 6 mil habitantes a 140km de Porto Alegre, coleciona títulos e histórias no futebol, desde os pequenos clubes do interior de seu estado natal até a amarelinha mais prestigiada do planeta. Confira: 

O início 

Luiz Antônio Venker Menezes nasceu no dia 11 de junho de 1962. Como boa parte dos garotos brasileiros, tinha o sonho de se tornar jogador de futebol profissional, mas atuou apenas em equipes amadoras. Em 1988, no Guarani de Venâncio Aires-RS, conquistou o título de campeão gaúcho amador como herói, afinal, ele converteu a última cobrança de seu time na disputa por pênaltis diante da Associação Sapiranga. 

Mano Menezes, ao centro, quando atuava no time amador do Guarani-RS 
(Foto: Reprodução)

Apesar do início promissor, o sonho não pôde ser realizado e Mano decidiu estudar Educação Física paralelamente à disputa de campeonatos amadores já visando à carreira como treinador. Depois de passagens pelas categorias de base, estreou profissionalmente na temporada 2002 pelo Guarani. 

O Campeonato Gaúcho daquele ano foi dividido em duas fases. Na primeira, Grêmio, Internacional, Juventude e Pelotas não estiveram em campo, pois participavam da Copa Sul-Minas. São Gabriel e Guarani, vencedores do primeiro e do segundo turnos, respectivamente, fizeram a decisão. O time comandado por Mano foi campeão, após empate por 0x0 dentro de casa e triunfo por 1×0 como visitante. Depois disso, participou de outra fase, chamada de Supercampeonato Gaúcho, já com a presença das equipes da Copa Sul-Minas, e acabou eliminado – o Internacional foi campeão.

Primeira campanha de destaque

O primeiro momento de Mano Menezes com destaque do futebol nacional aconteceu na temporada 2004, quando treinava o 15 de Novembro de Campo Bom, também no Rio Grande do Sul. Naquele ano, o time disputava pela primeira vez uma edição da Copa do Brasil. Na primeira fase, encarou a Portuguesa Santista e avançou após empates em 1×1 (casa) e 2×2 (fora). 

No duelo seguinte, um gigante pela frente: Vasco da Gama. Após igualdade em 1×1 em Campo Bom, o clube decidiu o futuro em São Januário. E o que parecia impossível aconteceu: vitória de 3×0, com direito a dois gols de Dauri, que seria o destaque da equipe no torneio. 

Em 2004, no comando do 15 de Novembro, Mano eliminou o Vasco da Copa do Brasil e foi até a semifinal
(Foto: Reprodução)

Nas fases seguintes, a dificuldade foi menor, e o 15 de Novembro eliminou Americano-RJ e Palmas-TO com vitórias nos jogos de ida e volta. Na semifinal, o adversário foi o Santo André, outra surpresa da competição. O triunfo por 4×3 em São Paulo parecia ter deixado a vaga na final encaminhada. No entanto, na volta, disputada no estádio Olímpico, em Porto Alegre, o elenco treinado por Mano Menezes perdeu por 3×1 e deu adeus. O Santo André, por sinal, seria campeão diante do Flamengo no Maracanã.

Grêmio e a ‘Batalha dos Aflitos’ 

O desempenho no 15 de Novembro fez Mano ser contratado pelo Caxias-RS. Por lá, fez 48 jogos, com 27 vitórias, 11 empates e 10 derrotas, um aproveitamento de 63,8%. O momento de ascensão era tão grande que o treinador recebeu o desafio de comandar o Grêmio, o seu primeiro clube de expressão nacional. 

No tricolor, ganhou o Campeonato Gaúcho nos anos de 2006 e 2007, mas ficou marcado mesmo pela famosa “Batalha dos Aflitos”, na Série B do Brasileirão de 2005. No último jogo do campeonato, o Grêmio encarou o Náutico no Recife e teve quatro jogadores expulsos e dois pênaltis contra, ambos desperdiçados. Mesmo assim, o time venceu por 1×0 e sacramentou a volta para a elite do futebol nacional. 

Pelo Grêmio, em 2005, Mano Menezes encarou a famosa ‘Batalha dos Aflitos’
(Foto: Grêmio FBPA)

Títulos no Corinthians

Finalista da Libertadores da América de 2007 com o Grêmio, acabou derrotado nos dois jogos diante do Boca Juniors (3×0 e 2×0). No Brasileirão terminou em sexto lugar e, no fim do ano, deixou o time gaúcho para assumir o Corinthians no ano de 2008. A meta, mais uma vez, era tirar um grande clube da Série B. 

No alvinegro paulista, foram 185 jogos entre 2008 e 2010, com 103 vitórias, 49 empates e 33 derrotas. Ganhou a Série B (2008), o Paulistão (2009) e a Copa do Brasil (2009), mas também foi vice da Copa do Brasil diante do Sport, em 2008. O currículo recheado de conquistas no Timão fez o treinador receber o convite para trabalhar na Seleção Brasileira em 2010. A equipe canarinho, então comandada por Dunga, passava por uma reformulação após ser eliminada nas quartas de final da Copa do Mundo para a Holanda, com uma derrota por 2×1.

Ronaldo e Mano no Corinthians campeão da Copa do Brasil 2009
(Foto: Daniel Augusto Jr./ Agência Corinthians)

Chegada na Seleção Brasileira 

Em 24 de julho de 2010, Mano Menezes aceitou o convite da CBF para comandar a Seleção Brasileira. O objetivo era fazer uma renovação de olho na disputa da Copa do Mundo de 2014, no Brasil. De cara, chamou Neymar e Ganso, destaques de forma arrebatadora no Santos durante o primeiro semestre e que não haviam sido convocados por Dunga. O começo de trabalho parecia promissor, com triunfos sobre Estados Unidos (2×0), Irã (3×0) e Ucrânia (2×0). 

Treinador foi o primeiro a convocar Neymar para a Seleção Brasileira
(Foto: Thomas Kienzle/AFP)

Contudo, Mano começou a ser questionado na Copa América de 2011, em que o Brasil foi eliminado nas quartas de final após empate em 0x0 com o Paraguai. Nos pênaltis, o time verde e amarelo desperdiçou as quatro cobranças que fez e terminou perdendo por 2×0. 

No ano seguinte, outro objetivo não foi alcançado. O Brasil lutava pela inédita medalha de ouro nos Jogos Olímpicos de Londres, só que foi derrotado na final por 2×1 contra o México. No final do ano, mesmo após a conquista do Superclássico das Américas perante a Argentina, Mano Menezes acabou sendo demitido, com a marca de, em outubro daquela temporada, ter amargado a 14ª colocação no ranking da Fifa. No total, foram 102 jogadores convocados e um aproveitamento de 72% entre as seleções principal e olímpica. 

Passagem pelo Flamengo e volta ao Corinthians

Depois de uma pausa, Mano Menezes aceitou a proposta do Flamengo para comandar o time em 2013, no mês de junho. Após pouco mais de três meses, o próprio treinador pediu para deixar o clube alegando que não conseguiu implantar a sua filosofia de trabalho. No rubro-negro carioca, ele saiu com 50% de aproveitamento em 22 partidas, com nove vitórias, seis empates e sete derrotas – na 15ª posição no Brasileirão e nas quartas de final da Copa do Brasil. 

Trabalho no Flamengo foi discreto, com apenas 22 jogos
(Foto: Alexandre Vidal/ Flamengo)

Em 2014, voltou para o Corinthians e conseguiu classificar o time para a Copa Libertadores da América com o quarto lugar na Série A. No entanto, o clube paulista passou por eleições presidenciais no final do ano e o treinador não teve o contrato renovado. 

Sucesso no Cruzeiro e ‘aventura’ no futebol chinês 

Já no segundo semestre de 2015, Mano Menezes acertou com o Cruzeiro, clube onde faria história dois anos mais tarde. Na primeira passagem, fez apenas 16 jogos e evitou o rebaixamento da equipe com 16 jogos de invencibilidade no Brasileirão, terminando na oitava posição. 

Ao fim do ano, aceitou proposta para treinar o Shandong Luneng, da China. Por lá foram 21 partidas, com sete vitórias, sete empates e sete derrotas. Acabou eliminado nas quartas de final da Champions Asiática. 

Então voltou ao Cruzeiro no segundo semestre de 2016. As temporadas seguintes foram de conquistas no time mineiro. Foram dois títulos da Copa do Brasil consecutivos (2017 e 2018) e também do Campeonato Mineiro (2018 e 2019). 

No Cruzeiro, o trabalho de maior sucesso: bicampeão da Copa do Brasil
(Fotto: Vinnicius Silva/ Cruzeiro)

Na Copa Libertadores, o Boca Juniors voltou a aparecer para estragar o sonho do título. A Raposa acabou eliminada na edição de 2018 nas quartas de final após um 3×1 no placar agregado. Em 2019, assim como no ano anterior, o Cruzeiro de Mano se classificou para o mata-mata no primeiro lugar do grupo. Desta vez, caiu nas oitavas de final após dois empates em 0x0 com o River Plate e derrota por 4×2 nos pênaltis. 

Em agosto do ano passado, ele deixou a Raposa depois da derrota para o Internacional na semifinal da Copa do Brasil e uma sequência de somente uma vitória em 18 jogos.  

Pouco tempo no Palmeiras 

Último trabalho aconteceu no Palmeiras, em 2019
(Foto: Palmeiras/ Divulgação)

Mesmo com o fim do ano se aproximando, Mano Menezes aceitou o chamado do Palmeiras para comandar o time no restante do Brasileirão de 2019, substituindo Luiz Felipe Scolari, o Felipão. Foram 20 jogos, com 11 vitórias, cinco empates e quatro derrotas. O fim do trabalho veio após cinco jogos de jejum e uma derrota para o líder Flamengo, que levaria o título após as 38 rodadas. 

O desempenho de Mano Menezes em seus principais clubes da carreira: 

 

Fonte: Correio