Flordelis se declara para o marido, o qual ela é acusada de mandar matar

A deputada federal Flordelis (PSD-RJ) postou nessa quarta-feira (16) em suas redes sociais uma homenagem ao seu marido, pastor Anderson do Carmo, que foi assassinado no dia 16 de junho de 2019 ao chegar em casa, em Niterói, no Rio de Janeiro. A parlamentar, que chegou a afirmar que o caso foi um latrocínio, é a principal suspeita de ser mandante do crime, e só não foi presa porque é imune devido ao cargo.

Em uma postagem no Instagram, Flordelis afirmou que sente saudades do companheiro e que ele levou uma parte dela. “Meu Nem, sinto tantas saudades, não consigo me acostumar a viver sem você. Até tento, mas não consigo, fazíamos quase tudo juntos, sinto sua falta ao meu lado, tem sido muito difícil viver sem você”, disse.

Leia mais: Testemunha diz que Flordelis ofereceu filha ‘sexualmente’ a pastores evangélicos

“Meu Nem, meu amor, você segue vivo dentro de mim. Um ano e três meses longe, parece uma eternidade, mas o que me acalma é a certeza de que mesmo que você não possa voltar, um dia eu vou poder ir até o seu encontro. Sei que preciso continuar e não deixar a felicidade fugir de vez da minha vida, mas as saudades que sinto de você me deixam paralisada”, escreveu.

 
 
 
 
Ver essa foto no Instagram
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Meu Nem, sinto tantas saudades, não consigo me acostumar a viver sem você. Até tento, mas não consigo, fazíamos quase tudo juntos, sinto sua falta ao meu lado, tem sido muito difícil viver sem você. Mesmo o tempo passando, jamais será suficiente para que a dor da sua ausência diminua. Meu Nem, meu amor, você segue vivo dentro de mim. Um ano e três meses longe, parece uma eternidade, mas o que me acalma é a certeza de que mesmo que você não possa voltar, um dia eu vou poder ir até o seu encontro. Sei que preciso continuar e não deixar a felicidade fugir de vez da minha vida, mas as saudades que sinto de você me deixam paralisada. Você foi embora, meu amor, e levou também uma parte de mim. Deus tem sido meu Refúgio, minha Força, meu Socorro, em Deus tenho depositado minha confiança. Vou lembrar de você, todos os dias e em todas as situações que eu viver e você continuará vivo através de mim e da nossa família. Sempre te amarei, Nem! Até um dia!

Uma publicação compartilhada por Flordelis ⚜️ (@flordelismk) em 16 de Set, 2020 às 9:47 PDT

O caso

O pastor Anderson do Carmo foi assassinado a tiros na madrugada de domingo, 16 de junho de 2019, pouco depois de chegar em casa, em Pendotiba, bairro de Niterói. Havia 30 perfurações no corpo, sendo duas de disparos à queima-roupa – o que levou a polícia a considerar o crime como sendo uma execução. No dia do assassinato, a deputada Flordelis afirmou que o marido havia sido vítima de uma tentativa de assalto.

Leia mais: Em meio a processo de cassação, Flordelis tem direito a salário e outras verbas

Um dos filhos do casal, Flávio dos Santos, de 38 anos, foi preso durante o enterro de Anderson do Carmo. Primeiramente, ele foi levado à delegacia por ter um mandado de prisão em aberto por violência doméstica.

Confrontado pelos investigadores, Flávio confessou ter matado o padrasto com seis tiros. Um irmão, Lucas dos Santos, de 18 anos, também foi preso por ter fornecido a arma utilizada no crime. A pistola foi adquirida por Lucas com traficantes de uma favela. A arma do crime foi encontrada na casa da deputada.

Leia mais: Estou sendo condenada sem nem ter direito a julgamento, diz deputada Flordelis

Para os investigadores, a principal motivação foi financeira. Flordelis estaria descontente com a forma como o marido geria as finanças e a carreira dela – além de deputada, ela é cantora gospel. O racha familiar também teria contribuído.

Para a polícia, os filhos biológicos tinham preferência e diferença de tratamento por parte da deputada. E, como Anderson do Carmo geria todas as finanças, as desavenças contra ele só aumentaram.

A deputada foi denunciada pelo Ministério Público por homicídio triplamente qualificado (motivo torpe, meio cruel e impossibilidade de defesa da vítima), associação criminosa, falsidade ideológica e uso de documento falso. Ela responderá ainda por tentativa de homicídio devido aos envenenamentos.

Fonte: Agencia Brasil