Entregador relata agressão de morador no Pituba Ville: 'achando que é dono do mundo'

O entregador Ítalo Santos, 33 anos, foi agredido com socos por um morador do Pituba Ville, condomínio de luxo no bairro da Pituba, em Salvador, durante uma entrega nesse domingo (4). Segundo ele, o ataque ocorreu sem motivação aparente já que ele não entendeu por que o homem, que dirigia um carro de luxo preto e ainda não foi identificado, o fechou dentro das instalações do condomínio para agredi-lo verbal e fisicamente.

O CORREIO conversou com o entregador, que afirmou ter sido atingido no olho pelo agressor, o que provocou um leve inchaço na região. “Assim que eu passei pela portaria, eu fui seguindo caminho até o prédio da entrega. Ao chegar próximo de uma curva, o senhor do carro me fechou. Eu tentei prosseguir, mas ele novamente jogou o carro em cima de mim pra não deixar eu passar. Ele saiu do carro exaltado, sem motivo nenhum. Eu fiquei em cima da moto e ele veio me xingando e acabou me agredindo com socos sem eu ofender ninguém. A única coisa que eu tinha dito era boa tarde”, relata.

No vídeo acima, gravado após o incidente, ele lamentou a atitude do morador e cobrou respeito. “Vim trazer um pedido de um cliente aqui no Pituba Ville. Um cidadão de uma Mercedes preta desceu do carro, me fechou, me agrediu, achando que é dono da razão. Aí é pra vocês verem o que a gente entregador passa no dia a dia, tentando levar o pão de cada dia para casa, pra sustentar sua família, e esse cidadão desceu do carro achando que é o dono do mundo por morar em um lugar como esse”, relata Ítalo no vídeo. 

E conclui: “Isso não pode passar impune, não, com a gente entregador, que rala todos os dias pra tentar ganhar o seu pão honestamente”.

Ítalo conta que, no meio da confusão, o agressor teria falado que ele estava na contramão e, talvez, isso teria sido o motivo de tamanha irritação. “Quando eu estava procurando o endereço de entrega, seguindo o GPS, vi que os números não correspondiam e não tinha mais curva pra esquerda como o GPS indicava. Então, eu peguei uma pequena contramão e fui prosseguindo. Talvez tenha sido por isso. Mas ele já tinha me fechado antes, quando ainda não estava na contramão, e eu só prossegui. Foi quando eu encontrei com esse senhor pela segunda vez, já na contramão. Eu estava em cima da moto sem como ter reação nenhuma. A sorte que eu tive foi ter outro motoqueiro atrás de mim e que me auxiliou. Se ele tivesse armado, podia ter acontecido algo pior”, diz.

Denúncia
Após a agressão, Ítalo foi até a 16° Delegacia Territorial, onde prestou queixa sobre o acontecimento, abriu o boletim de ocorrência e realizou o exame de corpo de delito. Segundo o próprio entregador, a polícia aguarda o resultado dos exames para solicitar imagens internas do condomínio para maior apuração dos fatos.

A reportagem do CORREIO procurou a Polícia Civil para obter mais informações sobre a denúncia. Por meio de nota, a assessoria da instituição informou que aguarda o resultado do exame para prosseguir com a investigação.

“A agressão contra um entregador de encomendas por aplicativo, ocorrida no domingo (4), é investigada pela 16ª DT / Pituba. De acordo com o relato da vítima, ele foi abordado por um homem, dentro de um condomínio, naquele bairro, quando foi impedido de seguir com a entrega e agredido. Foi expedida guia para exame de lesão corporal e equipes da unidade vão solicitar imagens de câmeras do local para complementar a identificação do autor”, diz o comunicado.

Ítalo registrou boletim de ocorrência na 16º Delegacia Territorial (Foto: Reprodução/Arquivo Pessoal)

De acordo com Ítalo, a Madero, hamburgueria para a qual prestava o serviço, também foi informada da agressão que ele teria sofrido durante o trabalho, mas não deu retorno ao seu funcionário. O CORREIO tentou contato com a empresa, mas sem sucesso.

Precedentes
A agressão não é a única relatada por entregadores nos últimos meses na capital baiana. Em setembro, entregadores fizeram um protesto por causa de outrro entregador, que foi agredido após se recusar a subir até o apartamento da cliente. O homem que supostamente o agrediu apontando uma pistola ao trabalhador e dando coronhadas em sua boca, é marido da mulher que solicitou a entrega e ficou inconformado com a recusa do motoqueiro em subir para entregar o pedido.

*Sob orientação da chefe de reportagem Perla Ribeiro

Fonte: Correio