Fiéis levam animais para receber bênçãos no dia de São Francisco de Assis

No ano passado, a cadelinha Esperança contraiu cinomose, uma doença grave que causa paralisia em cães. Na época, a tutora de Esperança, a auxiliar de cozinha Ana Paula de Deus, 45 anos, buscou cuidados veterinários para a pequena e pediu a intercessão de São Francisco de Assis para salvar o animal. Deu tão certo que as duas foram na manhã deste domingo (4) à Igreja de São Francisco de Assis, no Centro Histórico, para agradecer pela graça alcançada.

Ana Paula e Esperança estiveram entre os que encheram o templo na primeira missa de 4 de outubro, em homenagem ao santo. A celebração é conhecida por abençoar animais, e os cachorros não foram os únicos: teve cágado e até hamster. A celebração saudou a natureza e trouxe à reflexão um dos princípios básicos das pregações franciscanas: viver com pouco e colocar o sentido da vida no outro.

“Nesse dia tão caro para devotos e cristãos de todo o mundo, é preciso que reflitamos sobre o exemplo desse homem santo e sobre o consumo insaciável e descontrolado que parece tomar conta dos dias de hoje, afastando as pessoas do verdadeiro sentido da vida”, disse o arcebispo de Salvador e Primaz do Brasil, cardeal Dom Sergio da Rocha, que presidiu a celebração.

Razões de existir
Apesar das medidas sanitárias de distanciamento social, o templo esteve cheio de fiéis, que fizeram questão de estar presentes para receber as bênçãos no local. Quem não conseguiu ir, acompanhou pela internet. 

O auxiliar de logística George Souza, 22, cumpre a tradição desde criança. Ele sempre teve um encanto e um cuidado com plantas e animais. “Acredito que a maior lição passada por São Francisco foi que é possível falar e estar com Deus através da natureza, que é possível viver o evangelho com simplicidade, que é possível viver a fraternidade sem excluir esses irmãos que são os recursos naturais e suas manifestações”, completou.

Animais foram levado pelos fiéis para receber as bênçãos do santo: além de cachorros, teve cágado e até hamster (Foto: Nara Gentil/CORREIO)

Ao final da celebração, os religiosos da Ordem e da Irmandade de São Francisco distribuíram mudas de plantas como manjericão, capim limão, erva cidreira, boldo e palma. De acordo com o Frei Felipe Ferreira, a entrega das mudas e dos chás fez referência ao que foi discutido durante o novenário em homenagem a São Francisco. “Fizemos questão de ampliar as reflexões sobre não se acomodar diante da vida, inclusive diante da vida presente na nossa casa comum: o planeta Terra”, afirmou.

Mudas de plantas foram distribuídas durante as celebrações deste domingo (Foto: Nara Gentil/CORREIO)

Concluídos os festejos, a comunidade religiosa saiu em carreata pelas ruas do Centro Histórico, distribuindo bênçãos e aspergindo água benta em animais e seus cuidadores. Ao longo de todo o dia, os devotos puderam acessar a Igreja e a última missa aconteceu às 18h. Toda a programação do novenário e do dia festivo pôde ser acompanhada, ao vivo, pelo Youtube, através do canal do Convento de São Francisco.

Mas, as festas não se restringiram ao Centro. Na Boca do Rio, a Paróquia São Francisco de Assis também realizou novenário, missa, bênção dos animais e o almoço “Caruru Franciscano”, delivery e drive thru, desde às 11h. A imagem de São Francisco de Assis participou de uma procissão pelas principais ruas do bairro e o Arcebispo também celebrou a missa das 17h.

Em Saramandaia, os fiéis participam do tríduo, que escolheu como tema: “São Francisco de Assis, ajuda-nos a compreender a família como um tesouro da Igreja”. Com o tema “Senhor, o que queres que eu faça?”, os devotos de São Francisco de Assis também participaram dos festejos na Paróquia São Francisco de Assis (Alto de Coutos), às 19h. 

Missas aconteceram em várias paróquias de Salvador e também foram transmitidas pela internet (Foto: Nara Gentil/CORREIO)

Fonte: Correio