Fogo avança na Chapada Diamantina e queima projeto Sempre-Viva em Mucugê

As queimadas iniciadas nesta semana na Chapada Diamantina seguiram avançando ainda nesta sexta-feira (9). O fogo teria partido das imediações do Rio Piabas, no município de Andaraí, e foi em direção à cidade vizinha, Mucugê, a cerca de 78 km de distância. As chamas destruíram parte do Projeto Sempre-Viva, que tem base no Parque Municipal de Mucugê, uma reserva ambiental. A prefeitura ordenou o fechamento do espaço por tempo indeterminado. Fogo e fumaça tomaram a paisagem da Chapada justamente no momento em que os municípios da região reabrem para o turismo. 

Situação do Parque Municipal de Mucugê (Foto: Divulgação/@chapada_diamantina_oficial)

Comandante-geral do Corpo de Bombeiros Militar da Bahia, o coronel Francisco Telles disse que a situação já está mais controlada em Andaraí, mas as condições climáticas de vento e temperatura têm dificultado o trabalho dos brigadistas. Segundo ele, o incêndio começou na terça-feira (6) e foi se alastrando principalmente porque, além de ser uma área de vasta vegetação, os ventos na Chapada mudam de direção com facilidade, espalhando o fogo. Ainda de acordo com Telles, tudo indica que os incêndios foram provocados por pessoas.

No momento, 33 bombeiros florestais atuam no local em regime de 24h, com apoio de três aviões modelo air tractor, um helicóptero, braços voluntários de brigadas municipais da região, além de equipes do Instituto do Meio Ambiente (Inema) e também do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMbio). 

O secretário municipal de Turismo de Mucugê, Tiago Profeta, disse que o fogo adentrou na cidade um dia após ter sido iniciado em Andaraí. As chamas já estão seguindo para o Rio Cumbuca, no limite da cidade, o gestor espera que os carros-pipas que têm sido colocados à disposição possam conter o incêndio. Até o momento, as queimadas já consumiram boa parte do parque municipal e o banho na famosa Cachoeira do Tiburtino está proibido.

Em nota, a coordenação do Projeto Sempre-Viva, que funciona no parque, descreveu que o fogaréu danificou “irreparavelmente a vegetação e paisagem do entorno do centro de visitantes”. Pousadas e hotéis viram reservas serem canceladas por causa da situação, afirma o secretário, que diz que a opção possível agora é o passeio pelo roteiro de frutas vermelhas. Ainda segundo ele, turistas e donos de casas que têm chegado ou que já se encontravam por lá têm metido a mão para ajudar.

Um destes voluntários foi o estudante Ygor Almeida, 24, que vem apoiando os brigadistas e, mesmo assim, na noite desta sexta viu o fogo a 10 min da sua casa. Ygor conta que na noite de quinta o fogo estava na altura do Alpina e os ventos jogaram as chamas para uma área que não tinha material para queimar, o que ajudou a controlar. 

“Eu estava indo para Mucugê e quando cheguei no meu condomínio, vi uma fumaça gigante. Aí a gente desceu do carro para ajudar, só que o fogo pega muito rápido porque o mato está seco. Quando o vento sopra, o fogo muda de direção. Todo ano tem incêndio por aqui nessa época, mas dessa vez atingiu reservas ambientais. É extremamente doloroso ver o que está acontecendo porque você tem esse lugar aqui como um canto de paz, então a gente se sente impotente. Eu não tenho experiência com isso, batia no fogo e ele ia para outro lado. A gente tenta fazer o que pode, mas o fogo se alastra muito rápido”, desabafa.

Um vídeo gravado por um amigo da família de Ygor, que também está em Mucugê, mostra que a situação é realmente preocupante. As crianças que estão no carro chegam a temer pelo pior, mas ele tenta acalmá-las e decide não seguir caminho, com receio de que o fogo mais adiante esteja fora de controle. Assista à gravação.

Morador de Mucugê, o arquiteto Igor Portela está no front contra as chamas junto às brigadas voluntárias. “Ontem o fogo tomou uma proporção muito grande, chegou no Projeto Sempre-Viva. Foi muito difícil o combate do incêndio, mas felizmente deu tudo certo. A gente consegiu tirar tudo o que estava dentro do projeto e a parte estrutural ficou intacta, mas a vegetação foi toda embora. Não sou brigadista, não tenho conhecimento de combate ao fogo, sou morador de Mucugê, amo isso aqui e ver queimando é algo que não tem palavras”, relata. 

Segundo ele, as queimadas alcançaram pelo menos 15 km de extensão na noite desta sexta e já se aproximavam da cidade, ameaçando casas. “Eu e minha esposa estamos ajudando na parte dos alimentos. Ajudamos a preparar os kits, os jantares, almoço e levar comida pro pessoal que está voltando da linha de fogo”, conta o arquiteto.

Aviões contra as chamas
Os aviões air tractor fazem entre 10 e 15 lançamentos de sacos de água por dia, segundo estima o comandante do CBM. A corporação informou que enviou à Chapada o seu melhor especialista em incêndios florestais, o capitão Murilo Rocha, que coordena as ações. Os grupos estão fazendo aceiros — uma estratégia de retirada de plantas de uma faixa de terra — para evitar que o fogo passe para áreas de vegetação. Na quinta, uma cobra cascavel que fugia das chamas foi resgatada pela equipe.

Cobra cascavel foi resgatada pelos bombeiros (Foto: Divulgação/CBMBA)

Só neste mês, 486 focos de incêndio foram identificados entre Andaraí, conforme dados de satélites do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe). O coronel Francisco Telles sobrevoará a região neste sábado (10) para decidir se desloca ou não mais efetivo militar para o combate às chamas. 

“Estamos num combate ferrenho. A biomassa é muito grande lá e isso dificulta demais porque é o combustível do fogo. O incêndio só não é maior porque nós capacitamos brigadas voluntárias, que atuam imediatamente enquanto a gente desloca mais tropas”, disse Telles. Segundo ele, o governo estadual já enviou equipamentos de proteção individual e de controle como luvas e abafadores, que estão sendo distribuídos aos brigadistas locais.

O secretário estadual do Meio Ambiente, João Carlos Oliveira, ressaltou que, até dezembro, teremos altas temperaturas e baixa umidade por aqui. “Estamos alertando a população, pois um fogo iniciado descuidadamente, criminoso ou não, ao encontrar uma condição favorável, se espalha facilmente e torna-se de difícil controle”, advertiu.

Fonte: Correio