Falta de manutenção levou a acidente que matou Boechat, conclui laudo da FAB

O relatório final do Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa), da FAB, divulgado nesta quinta-feira (29), concluiu que o acidente que matou o âncora do Jornal da Band e da BandNews FM, Ricardo Boechat, e o piloto Ronaldo Quattrucci foi causado principalmente por falta de manutenção no helicóptero em que os dois estavam.

Segundo o relatório, a troca de óleo não estava sendo realizada conforme previsto. Além disso, uma peça do motor, o compressor, deveria ter sido trocada ou atualizada. 

“Essa manutenção inadequada do sistema de óleo, possivelmente, levou à formação de um bloqueio por sedimento no canal de onde sairia o jato de suprimento de óleo para o rolamento n° 2, que levou a uma condição de falta de lubrificação, contribuindo para a falha do motor em voo”, pontua o relatório.

O laudo também considera que o piloto tomou decisões erradas e que ele sabia da situação irregular da aeronave: Quattrucci era dono da empresa RQ Serviços Aéreos Ltda, a qual o helicóptero pertencia.

“O piloto-proprietário operou a aeronave com o TBO do módulo do compressor do motor vencido, o que a tornava não aeronavegável”, diz o relatório. “A inobservância do cumprimento do programa de manutenção, particularmente em relação ao intervalo calendárico para a troca de óleo do motor e à reinstalação do módulo do compressor com o TBO vencido, demonstrou a não aderência do operador, o qual é o responsável primário pela manutenção, em relação aos requisitos de Aeronavegabilidade Continuada, o que contribuiu para o acidente”, continua o texto.

O relatório ainda pondera que o piloto e o helicóptero não estavam autorizados a fazer voos de táxi aéreo, como foi o caso. A tentativa de pouso na avenida também, segundo o relatório da Cipa, não foi adequada.

“As condutas apresentadas na empresa referentes ao emprego da aeronave, bem como à manutenção, refletiram falhas na cultura da organização no tocante à segurança operacional, uma vez que foi possível observar um conjunto de práticas adotadas que gerava riscos inaceitáveis para a execução da atividade”, afirma.

A queda da aeronave aconteceu em 11 de fevereiro de 2019, na rodovia Anhanguera, em São Paulo. Ela havia decolado de Campinas, no interior paulista, onde Boechat participou de um evento, e seguia para capital paulista.

 

 

 

 

Fonte: Agencia Brasil