Candidaturas de vereadores do DEM aumentam na Bahia: ‘Fizemos opção de baixo para cima com foco em 2022’, diz ACM Neto

O número de candidaturas a vereador pelo DEM teve um salto de quase 40% na Bahia entre as eleições de 2016 e a deste ano. Para o presidente nacional do partdo, o prefeito ACM Neto, esse aumento não é acaso, é pate de um projeto de expansão da legenda. Hoje, ela ocupa o comando da Câmara de Deputados e do Senado. Ao mesmo tempo, os institutos de pesquisa apontam para a vitória do candidato democrata a prefeito de Salvador, Bruno Reis, mantendo o poder na quarta maior capital do país. 

Maior partido de oposição no estado, o DEM saltou de 2.045 candidaturas — no geral, entre vereadores e prefeitos — em 2016, para 2.805 em 2020. Ou seja, 760 a mais. Há dois anos à frente da direção nacional, Neto diz que esse trabalho visa ampliar as bases. “Fiz uma opção, logo depois de 2018, de tentar levantar o crescimento do partido de baixo para cima. Como a gente tem a presidência da Câmara e do Senado, nós poderíamos ter uma quantidade maior de congressistas, mas não quisemos optar por isso. Preferi começar pela eleição municipal, pelas bases, e houve um trabalho de estímulo de candidaturas a prefeito e vereador. O crescimento é real e temos grande expectativa de ampliar o número de eleitos. E tudo isso é um trabalho que tem um objetivo de médio a longo prazo do partido de, de fato, crescer e ter protagonismo em 2022”, destaca.

Segundo ele, o bom momento do DEM na Bahia vem através de alianças importantes, a mais recente delas com o PDT, em Salvador. O prefeito estima que, com as candidaturas próprias ou ao lado de aliados, o Democratas está disputando este ano as 50 maiores cidades do estado. “Eu sequer fico concentrado no Democratas. Em várias cidades, a gente abriu mão de ter candidato próprio a prefeito para fazer alianças, coligações e apoiar aliados. E em grandes cidades, em grandes colégios eleitorais do estado, nós vamos sair vitoriosos”, projeta.

RMS e outras grandes cidades

Além de Salvador, o DEM também está fortalecido na Região Metropolitana de Salvador (RMS), com as candidaturas do prefeito Antônio Elinaldo, que tenta a reeleição em Camaçari, e de Teobaldo Costa, em Lauro de Freitas, que enfrenta a atual prefeita Moema Gramacho (PT). No interior, outras cidades economicamente importantes e populosas como Alagoinhas, Barreiras, Eunápolis, Ilhéus, Luís Eduardo Magalhães e Teixeira de Freitas, também têm fortes candidatos da sigla: Paulo Cezar, Zito Barbosa, Cordélia Torres, Valderico Jr, Junior Marabá e Dr. Belitardo, respectivamente. 

“Contando com Salvador, nosso grupo político, que não é formado só pelo Democratas, tem boas chances. Quando se soma o eleitorado das cidades que a gente pode ganhar, é uma vitória majoritária do número de habitantes que serão governados por partidos aliados. Isso foi planejado. Claro, o objetivo é ganhar a eleição, e nós estamos trabalhando para isso, mas a gente já teve uma primeira vitória, que é entrar na disputa desses grandes centros, isso nos concede um palanque forte. Ganhando ou perdendo, a gente já tem palanques fortes para 2022, que é nosso objetivo”, acrescenta ACM Neto.

Guarda-chuva: candidatos se abrigam no partido

Cientista político e professor da Universidade Federal da Bahia (Ufba), Paulo Fábio Dantas enxerga que o DEM vem mesmo crescendo de 2016 para cá e, mais recentemente, esse movimento de arrancada pode ter a ver com a mudança da legislação que colocou um fim às coligações partidárias para vereador e deputado. Muitos candidatos de partidos pequenos correram para se abrigar em partidos maiores para melhorar suas chances na disputa e o DEM tem sido um dos mais procurados, aponta ele. 

“É um sinal, mas também pode não significar nada. Só vamos ter confirmação, o resultado disso, no dia 15 de novembro, mas, sim, há aí um horizonte de crescimento pelo fato de o DEM ter criado uma perspectiva de poder que não existia. O partido se consolidou como uma referência de oposição ao governo estadual no campo político, é referência de oposição para muitos”, diz.

Resultado dos EUA: Moderação

Para Dantas, o resultado da eleição americana, com a vitória de Joe Biden, fortalecerá no mundo todo ainda mais as lideranças políticas que assumirem uma atitude moderada. E, na visão dele, o DEM é um dos partidos que tem se posicionado nessa direção. 

O que se viu em Salvador, nesta pandemia, com a parceria entre ACM Neto e o governador Rui Costa no combate à nova doença demonstrou que ambos protagonizaram uma “política pública de alto nível, o que revela sinais positivos na política”, defende o cientista político. “Não acho que o DEM está sozinho nesse novo momento, ele está incluído num quadro que tenderá à moderação na política, vejo que estão apostando nisso com Neto dirigindo o partido”, completa . 

Figuras como Rodrigo Maia, presidente da Câmara, ACM Neto e Luiz Henrique Mandetta, observa ele, representam uma renovação na política não só com relação ao passado do partido Democrata, ex-PFL, mas também por respeitarem o processo democrático, estando politicamente distantes da extrema-direita que assumiu o governo. 

“Do ponto de vista da posição política, o que vejo recentemente, e arrisco dizer, é que o DEM está caminhando mais para o centro do que se mantendo na centro-direita. A gente identifica isso aqui em Salvador, há um certo cuidado com as questões sociais que não são próprias de partido direita, que costumam cuidar dessas questões, mas de uma forma mais subordinada às questões econômicas”, avalia.

Fonte: Correio