Mari Ferrer: ato em Salvador coleta assinaturas para carta pela integridade das mulheres

Um ato na Praça da Piedade, em Salvador, reuniu pessoas neste sábado (7) em nome da jovem Mariana Ferrer, que teve o caso julgado pela justiça de Santa Catarina como estupro culposo, sentença sem precedência no Brasil. Protestos também aconteceram e vão acontecer em várias capitais do pais neste final de semana pelo movimento #JustiçaPorMariFerrer.

Uma das ações realizadas na manifestação foi a assinatura da Carta-Manifesto pela Integridade Física e Moral de Todas as Mulheres do Brasil. O documento foi criado pela Marcha do Empoderamento Crespo. O objetivo é também mobilizar membros da sociedade civil, movimentos sociais, parlamentares e candidaturas à prefeitura e Câmara de Vereadores de Salvador para que as autoridades públicas priorizem o tema. 

Uma das propostas destacadas pelo manifesto é a criação de salas lilás em todas as delegacias da capital baiana, a fim de atender e acolher as vítimas de violência. A carta também defende a extensão do horário de funcionamento das Delegacias Especializadas em Atendimento as Mulheres (DEAM) e a instalação da Casa do Abrigo para  amparar temporariamente as pessoas que precisem sair da residência do agressor. 

A cofundadora da Marcha do Empoderamento Crespo, a antropóloga e candidata a vereadora Naira Gomes (PCdoB), participou o ato e ressaltou que a iniciativa surgiu de uma violência que ela sofreu. “Minha voz é a voz de muitas mulheres, que, infelizmente, têm esse lugar de dor e de silêncio, sobretudo as negras. Fui vítima de violência e essa experiência marcou minha vida com dor e com revolução.  A Marcha está aqui para defender nosso direito como mulheres e das que estão por vir, das gerações futuras”, defendeu Gomes. 

O vereador Marcos Mendes foi um dos que assinou o documento. Ele ressaltou os 14 projetos protocolados à CMS e Assembleia Legislativa da Bahia (Alba) durante o mandato. “Os mandatos, principalmente, masculinos precisam se pronunciar contra situação. Nós homens precisamos, mais do que nunca, se unir e estar ao lado as mulheres para rechaçar todo tipo de misoginia e machismo na sociedade autocrata que existe em Salvador”, ressaltou Mendes. 

A deputada estadual Olivia Santana, candidata a prefeita de Salvador pelo PCdoB, ressaltou que a luta da igualdade de gênero é o que defende como presidente da Comissão dos Direitos das Mulheres da Alba. “A manutenção de práticas machistas e misóginas, que chegam a destruir fisicamente milhares de mulheres, é incompatível com a ideia de avanço da humanidade. A pauta feminina está em todos os eixos do meu programa, através de propostas para fomentar a diversidade e garantir os direitos das mulheres soteropolitanas”, afirmou Santana. 

O deputado estadual Hilton Coelho, candidato à prefeitura de Salvador pelo PSol apoiou a criação da Casa do Abrigo e a assinatura da carta-manifesto. “É fundamental porque precisamos gerar uma sociedade em que o povo não esteja mergulhado em uma cultura de ódio. Não podemos trabalhar com a noção que é natural agressividade de homens contra as mulheres. É importantíssimo que tenha medidas que sejam concretas para proteger a população feminina que está vulnerabilizada. A discussão sobre a casa abrigo é uma discussão séria, a discussão sobre as Delegacias especializadas é uma discussão muito séria que precisa estar no programa de todos”, ressaltou Coelho.

Segundo dados da Organização Mundial da Saúde, 1 em cada 3 mulheres em todo o mundo já sofreram algum tipo de violência física ou sexual, seja em casa, em suas comunidades ou mesmo no ambiente de trabalho. 
 
 

Fonte: Correio