Simões Filho: 16 casas são afetadas pelo impacto da explosão de galpão

Bombeiros utilizaram 40 mil litros de água para apagar o incêndio (Foto: Ascom/Corpo de Bombeiros)

Os moradores de Simões Filho foram surpreendidos pela explosão de um depósito de fogos de artifício por volta das 14h30 desta segunda-feira (9). Localizado no Jardim Renatão, o galpão da empresa CF PIROTECNIA LTDA foi totalmente destruído. Uma grande nuvem de fumaça se formou com explosão, cujo tremor e barulho ecoou pela cidade. Duas pessoas foram socorridas para o Hospital Municipal, informou a prefeitura da local. Uma das vítimas teve escoriações leves e outra apresentou um pico hipertensivo pelo susto. 

Segundo a Defesa Civil do Município, 16 casas foram afetadas pelo impacto da explosão, entretanto, segundo o Corpo de Bombeiros, apenas o galpão da empresa de Comércio Varejista de Fogos de Artifício e artigos pirotécnicos pegou fogo. As causas do acidente só serão apontadas ao fim da perícia. 

Um dos proprietários da empresa, Ricardo Ferreira da Silva, afirmou que cerca de 890 quilogramas de fogos de artifício classe D estava armazenada no local. De acordo com ele, a companhia trabalha com a realização de eventos, como réveillon. Dentre os fogos queimados, estavam girândola e morteiros.

“Aqui apenas é um paiol de armazenamento. Importo grande parte dos fogos da China, nada é fabricado aqui, eu sou um distribuidor e executor de show. Somo uma empresa reconhecida do mercado, com 12 anos de existência. Fazemos o réveillon de Salvador, Aracaju e Maceió. Somos totalmente licenciados”, afirmou o dono da empresa.

De acordo com Ricardo, o  prejuízo apenas com os fogos é de R$ 10 milhões, já a reconstrução da estrutura do paiol deve custar até R$ 30 mil. “Não existe seguro para fogos. Trabalhamos com fogos classe D, que é parte pirotécnica. Os fogos sem potencial [explosivo] são A, B e C. Como somos especializados em show pirotécnico, os nosso fogos são de classe D”, explicou. 

O Tenente-coronel Faneli, comandante do 10º Grupamento de Bombeiros Militar (Camaçari), esteve no local e relatou que o fogo foi controlado rapidamente, sendo a maior parte do tempo utilizada para o rescaldo do local a fim de evitar novos incêndios. Os agentes se retiraram da região por volta das 19h.

“O Corpo de Bombeiros foi acionado para o local e, imediatamente, o fogo foi controlado evitando prejuízos maiores. Fizemos o rescaldo para evitar reignição e que os fogos não atingidos pudesse pegar fogo. Empregamos 4 viaturas de combate à incêndio e gastamos cerca de 40 mil litro de água”, comentou o comandante.

Em nota, a prefeitura de Simões Filho afirma que foram deslocados para o local 3 ambulâncias do SAMU, equipes da Defesa Civil, Assistentes Sociais e Psicólogos da Atenção Social, técnicos da Secretaria de Meio Ambiente, Ordem Pública, Transporte e Trânsito. A Polícia Militar, Civil e o Corpo de Bombeiros seguem com a investigação e prestando os atendimentos necessários. 

Ainda de acordo com a gestão municipal, a empresa possui autorização do Corpo de Bombeiros Militar, do Exército e alvará de localização e funcionamento. Procurado para se posicionar sobre a fiscalização do estabelecimento, o Expército não respondeu. Na nota, a prefeitura ainda diz dar apoio às autoridades de segurança e estar à disposição das famílias atingidas para total suporte.

Susto
Pela cidade, os moradores saíram correndo das suas casa para conferir o que causou o estrondo logo no começo da tarde. Ao olharem para o céu, lá estava a coluna de fumaça. Crianças gritavam e as pessoas logo criaram suas hipóteses do que teria causado a explosão. Seria a queda de um avião? Um acidente em uma fábrica de botijão de gás? A teoria do acidente com uma aeronave foi a mais sustentada e era citada pelas redes sociais.

A população foi para o local descobrir o que tinha acontecido, logo um vídeo desmentiu a informação da queda do avião ao contar se se tratava de uma explosão em um galpão de fogos. Thaillana Trindade, 19, moradora do bairro Cia 2, foi uma das que seguiu a fumaça. 

“Eu só pensava que era um avião, parecia muito algo caindo. Senti o impacto aqui da minha casa e não moro muito perto do local. Nunca imaginei que seriam fogos”, comentou a jovem.

Moradora do Km 30, Tatiane Sousa, 32, se lembra da bola de fumaça que viu no céu. Ela contou ter tomado um grande susto, mas ficou mais aliviada ao saber se não se tratava de um acidente de avião.

“Parecia um trovão muito forte porque não parava de explodir. Todo mundo saiu de casa apavorado, uma coisa de horror pois a gente não sabia o que era exatamente. Na hora que eu escutei o barulho logo pensei caiu alguma coisa”, relembrou Tatiane.

A moradora foi ao local da explosão com o marido para ajudar os possíveis feridos e tentar entender o que estava acontecendo. Outro que estava nas proximidades do galpão na tarde desta sexta, era o padeiro Rubens Ferreira. Ele também foi até lá para tentar ajudar as pessoas.

“Parece que tem uma casa pegando fogo e outra está com o pessoal gritando. Encontrei esse pedaço do galpão no chão, ele foi arremessado pela explosão. É um perigo pois ele tem uns 10 quilogramas”, afirmou.

O barulhão interrompeu a leitura de Tarcísio Freitas, 26. “Eu estava deitado na varanda e ouvi uma explosão. Quando eu virei, vi o cogumelo de fumaça, igual no jornal. Logo chamei minha mãe e minha avó para verem o que estava acontecendo”, contou o morador de Simões Filho, que registrou tudo para as redes sociais. 

*Com orientação da subeditora Clarissa Pacheco

Fonte: Correio