Top baiana Samille Bermannelli celebra dreads em capa de revista internacional

Aos nove anos, Samile Bermannelli pediu à mãe que fizesse alisamento nos seus cabelos. A pequena baiana de madeixas cacheadas, que essa semana foi capa da revista chilena Issue Magazine, queria andar com os cabelos soltos, mas o grande volume não permitia que o fizesse. 

“Minha mãe trabalhava muito e não sabia fazer muitos penteados, então sempre optava por aqueles que duravam uma semana inteira. Eu via as meninas na escola com cabelo solto e liso e queria me encaixar no padrão”, relembra a soteropolitana, que atualmente vive em Nova York.

Samile ficou refém da química capilar por oito anos. Até que aos 17, um ano e meio após começar a modelar, decidiu cortar os cabelos no estilo big chop e assumir seu afro – a partir de então, a modelo viu a carreira decolar. 

Seu cabelo sempre foi motivo de diversas reuniões na agência e com clientes. O mercado não absorvia a identidade afro das mulheres negras e impunha o padrão estético de fios lisos de mulheres brancas. 

“Já vi muitas meninas terem que trançar o próprio cabelo ou ouriçar seu black power nos backstages porque os cabeleireiros não sabem trabalhar com cabelo afro”, conta.

Orgulhosa de suas raízes afrodescendentes, Samile decidiu mudar o mercado. “Eu venho tentando quebrar esse padrão dos cabelos das pretas e mostrar para os clientes que há inúmeras opções, como: tranças, penteados, miçangas e acessórios que eles podem usar”, afirma a moça nascida e criada na região da Barros Reis, que contou ao Alô Alô o que gosta de fazer quando volta à cidade natal.

“Eu sempre vou à praia, como acarajé, vou a partido alto (rodas de samba), ao Pelourinho, e amo fazer churrasco com a minha família”, revelou a baianíssima ao Alô Alô.

Capa de revista
Neste mês, ela viu seu esforço compensar na capa da revista chilena Issue Magazine. Com dreadlocks, a modelo estrela a edição de aniversário de sete anos da publicação, que já teve em suas páginas Coco Rocha, Alexa Chung e Helena Christensen. 

“Essa capa é muito importante para mim. É o resultado da minha resistência e insistência de que pode dar certo. Se eu olhasse pra trás e falasse para as minhas agências que eu iria colocar dreadlocks eu provavelmente iria escutar um ‘não’”, analisa. 

Aos poucos, Samile tem modificado a indústria e empoderado outras mulheres negras a assumirem suas identidades afro. 

“Confio na beleza da minha ancestralidade e espero ver outras modelos com orgulho da sua pele e do seu cabelo. Não podemos viver inseguras, precisamos lutar pela nossa liberdade estética também”, completa. 

Portfólio e top 50 do mundo
A top model da nova geração de brasileiras tem em seu portfólio desfiles para Valentino, Kenzo, Eli Saab, Zuhair Mourad, Marc Jacobs, Miu Miu, Balmain, Victoria’s Secret; campanhas para Dolce e Gabanna e Jacquemus, além de três Vogues Paris, Vogue América, Japão, Reino Unido e Brasil. 

A baiana já cruzou as passarelas das principais semanas de moda mundiais: Milão, Nova Iorque, Paris e Londres. De acordo com a Vogue Itália, Samile integra as 50 maiores modelos negras da atualidade.

Leia mais notícias do Alô Alô.

Fonte: Correio