Operação Faroeste mira filhos de desembargadores da Bahia

O Ministério Público Federal (MPF) vai deflagrar nos próximos dias a sexta fase da Operação Faroeste, com foco exclusivo em filhos de desembargadores do Tribunal de Justiça da Bahia (TJ). Todos os principais alvos são suspeitos de tráfico de influência dentro do esquema de venda de sentenças na Corte. Segundo apurou a Satélite, a equipe do MPF escalada pela Procuradoria-Geral da República (PGR) para investigar o caso está com os preparativos da nova etapa praticamente concluídos e já obteve autorização do relator da Faroeste no Superior Tribunal de Justiça (STJ), ministro OG Fernandes, para cumprir mandados de busca e apreensão em pelo menos dois grandes escritórios de advocacia de Salvador. As bancas são ligadas a familiares de desembargadores do TJ, incluindo magistrados que não estão mais na ativa.

Dois mundos
Fontes com acesso a detalhes da operação garantem que um dos nomes na mira do MPF ocupa cargo de confiança na esfera da administração indireta do governo federal.

Marcação cerrada
Pouco antes de iniciar a montagem da futura etapa da Faroeste, o MPF acionou a Polícia Federal (PF) para que colocasse os novos alvos e endereços relacionados a eles sob vigilância constante. Desde então, os investigados têm os passos monitorados, assim como a movimentação nos escritórios onde ocorrerão as buscas. A base para a sexta fase da operação surgiu a partir do fluxo atípico de altas somas de dinheiro detectado pelo Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf), órgão vinculado ao Banco Central, cujas datas coincidem com sentenças sobre ações milionárias que favoreceram filhos de magistrados.

Linha de frente
O promotor baiano João Paulo Schoucair é apontado como favorito na disputa pela indicação à vaga do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) reservada a integrantes do MP nos estados. Coordenador do Grupo Especial de Combate às Organizações Criminosas (Gaeco) do MP da Bahia, Schoucair atua simultaneamente no gabinete do chefe da PGR, o também baiano Augusto Aras, que o considera um dos mais leais auxiliares. Fora a proximidade com Aras, a quem cabe indicar o nome, Schoucair teve mais que o dobro dos votos dos demais candidatos ao CNJ pelo  MP estadual.

Sinal de retirada
Cardeais da base aliada ao Palácio de Ondina estão convictos de que haverá uma debandada gradativa de partidos governistas. Para lideranças do bloco, a derrota do PT de virada no segundo turno em Feira de Santana e Vitória da Conquista, somada ao mau desempenho dos petistas na sucessão municipal e ao fortalecimento do DEM, foi a gota que faltava para transbordar o balde em curto ou médio prazos. Até lá, acham, o governador Rui Costa terá que ceder à pressão por cargos para manter a governabilidade.

Beira da praia
O PT não foi o único frustrado com o segundo turno no estado. O ex-deputado estadual Luiz Augusto (PP) que o diga. Com o revés do petista Zé Raimundo em Conquista, a chance de herdar o espaço dele na Assembleia virou fumaça.

“Quem ganhou, parabéns. Quem perdeu, que se prepare para a próxima. Sou amigo irmão do Lula, mas vou ficar refém dele a vida inteira? Não tem sentido. É minha opinião sincera” –  Jaques Wagner, senador pelo PT da Bahia, ao avaliar o resultado da sucessão e defender a renovação  nos quadros da esquerda no país

Fonte: Correio