Reeleitos, prefeitos de Conquista e Feira abordam prioridades do próximo mandato

Apenas duas das 417 cidades da Bahia escolheram seus prefeitos em segundo turno. Em ambas deu reeleição. Na segunda maior cidade do estado, Feira de Santana, Colbert Martins (MDB) venceu Zé Neto (PT) com 54,42% dos votos válidos. Já em Vitória da Conquista, terceiro maior município baiano, Herzem Gusmão (MDB) recebeu 54% dos votos válidos vencendo o oponente Zé Raimundo (PT). 

Os dois prefeitos reeleitos também ganharam de virada. Os emedebistas finalizaram o primeiro turno atrás dos oponentes petistas, mas conseguiram mudar o cenário e se reeleger. As margens eram apertadas na primeira etapa das eleições, em Feira de Santana, a diferença foi de 3,37 pontos percentuais, com Zé Neto com 41,55% dos votos válidos e Colbert com 38,18%. A distância foi menor ainda em Vitória da Conquista. Apenas 1,74 ponto percentual separaram Zé Raimundo, que recebeu 47,63% dos votos válidos, de Herzem, com 45,89%.

Mesmo com a reeleição, nem tudo deve permanecer igual. Colbert Martins já anunciou uma reforma administrativa na prefeitura de Feira de Santana, o que deve mudar as secretarias da cidade e até a equipe. Em Conquista, o planejamento de Herzem Gusmão também é implantar uma reforma administrativa na prefeitura, um desejo que data do 1º mandato.

Confira as entrevistas com os prefeitos reeleitos

Colbert Martins é o atual prefeito de Feira de Santana e vai governar a cidade por mais 4 anos (Foto: Divulgação)

Colbert Martins (MDB) – prefeito eleito de Feira de Santana e atual gestor da cidade

Com a reeleição, quais serão as prioridades do seu próximo mandato em Feira de Santana?
A prioridade número 1 será e continua sendo o combate à covid-19.  Trabalho para que as pessoas tenham testagem maior e precocemente para identificação dos casos e também para garantir que todos os doentes possam ser isolados ou internados. Temos feito uma intervenção muito forte para recuperar o centro de Feira. 

Quais são os maiores desafios que você deve enfrentar nos próximos quatro anos?
Um dos desafios é aguardar a vacina, pois Feira tem o nível mais baixo em termos de óbitos na Bahia, para uma cidade de grande porte. O vírus tem um impacto forte na economia de todo o mundo. Outro desafio é trabalhar para manter o equilíbrio econômico e fiscal com o pagamento integral dos salários em dia. Neste ano, já pagamos o 13º; investimos recursos para não ter nenhum tipo de atraso. 

Apesar da reeleição, você pretende fazer alguma mudança na estrutura da sua gestão?
Pretendo fazer uma reforma administrativa para readequar a gestão à nova realidade. Criaremos a Secretaria da Mulher, um espaço ocupado por mulheres. Atualmente, as secretarias englobam temas que não são afins. Temos pastas muito amplas que precisam ser redimensionadas. 

Há algo que você queira fazer diferente no próximo mandato?
Pretendemos inovar  com o uso de internet para as pessoas não precisarem ir até a prefeitura, vamos distribuir medicamentos diretamente, investir na telemedicina. Vamos criar as prefeituras-bairro e prefeitura-distrito no modelo que existe em Salvador para descentralizar as ações de manutenção.

Herzem Gusmão foi reeleito em Vitória da Conquista (Foto: Divulgação)

Herzem Gusmão  – prefeito eleito de Vitória da Conquista e atual gestor da cidade

Com a reeleição, quais serão as prioridades do seu próximo mandato em Vitória da Conquista?
Nossas prioridades são continuar trabalhando em prol da educação, saúde e planejando e organizando a cidade com seus planos. Vamos continuar trabalhando para erradicar a escola que não ensina. Com o projeto Educar pra Valer, com a Fundação Lemann, conseguirmos elevar o IDEB de Conquista, inclusive, pagamos 14º para os profissionais da educação que atuam nas unidades de ensino que atingiram a meta. Também vamos expandir a atenção básica. Já aderimos ao programa Saúde na Hora, do Governo Federal, e vamos continuar implantando novas unidades do programa. A meta ainda é zerar a fila para procedimentos de pequeno porte em 2021. Trabalhamos com base em planos para um crescimento ordenado.

Apesar da reeleição, você pretende fazer alguma mudança na estrutura da sua gestão?
A reforma administrativa está pronta e será encaminhada para a Câmara logo nos primeiros meses do próximo mandato. O texto vai fazer mudanças leves [na administração] acabando com as improvisações. A reforma é necessária para modernizar a máquina da administração e é pilotada pela Fundação Dom Cabral, que é uma das melhores da América Latina. Não tivemos como fazer isso no primeiro mandato, mas a reforma está pronta e pode sofrer apenas pequenos ajustes pois é muito atual.

Quais são os maiores desafios que você deve enfrentar nos próximos quatro anos?
Existem vários desafios, entre eles o de continuar a organizar a cidade, acabar com a escola que não ensina, avançar com a atenção básica. Temos muita fé em Deus e na equipe que nós temos, que fez um trabalho extraordinário em 4 anos.

Há algo que você queira fazer diferente no próximo mandato?
A reforma administrativa está pronta e será encaminhada para a Câmara logo nos primeiros meses do próximo mandato. O texto, que é muito atual, vai fazer mudanças leves na administração, acabando com as improvisações. A reforma é necessária para modernizar a máquina da administração e é pilotada pela Fundação Dom Cabral, uma das melhores da América Latina. Não tivemos como fazer isso no primeiro mandato. Vamos seguir no mesmo caminho, estamos fazendo tudo de forma planejada. Imaginamos governar 8 anos, não quatro. A cidade estava tão desorganizada que ficamos quase 2 anos organizando a casa

*Com orientação da subchefe de reportagem Monique Lobo

Fonte: Correio