Novo protesto marca revolta pela morte de jovem barbeiro em São Félix, no Recôncavo

A população de São Félix não descansou e amanheceu novamente em protesto, nesta segunda-feira (7), pela morte do jovem barbeiro Davi Pereira Santos de Oliveira, de 23 anos, assassinado a tiros pela polícia na madrugada de domingo (6), na cidade localizada na região do Recôncavo, na Bahia. Com cartazes pedindo justiça e esclarecimentos sobre o caso, os moradores voltaram a fechar a entrada da Ponte Dom Pedro II, histórica via que leva ao município de Cachoeira. 

A ponte foi interditada por volta das 11h30 e permaneceu fechada para passagem até às 13h, quando os veículos foram liberados para fazer a travessia. Pelo menos 200 pessoas estiveram presentes. No domingo mesmo, o pessoal demonstrou revolta queimando pneus e fechando dois acessos da cidade. Nos dois dias, militares acompanharam a movimentação. Davi deixou esposa e um filhinho de um ano. O prefeito da cidade, Alex Aleluia (DEM), lamentou a morte do jovem e prometeu tomar providências.

Davi Oliveira tinha 23 anos (Foto: Reprodução/Redes sociais)

Como aconteceu no fim de semana, o fato foi registrado no plantão da Delegacia de Cruz das Almas e as circunstâncias da morte serão investigadas pela delegada Ana Neide dos Anjos, da unidade de Cachoeira, já que São Félix está sem titular.

De acordo com informações da TV Bahia, a Polícia Militar informou que os policiais militares envolvidos no caso foram afastados das ruas e será instaurado um inquérito para analisar a ação deles. A conduta será avaliada pela corregedoria da corporação. Um posicionamento foi solicitado à PM por e-mail, mas não houve retorno até esta publicação.

O CORREIO conversou no domingo com a irmã mais velha do jovem, Geisa Oliveira. Ela contou que Davi era o filho do meio, dono de dois estabelecimentos chamados Barbearias Três Irmãos. Ele aprendeu a profissão ainda criança, aos 11 anos, com o próprio pai, já falecido. “A cada ano, ele ia se aperfeiçoando. Ele fez cursos, se empenhou bastante, tem diploma. Ele deu um ponto pro nosso irmão trabalhar, não cobrava nada dele. O que eles ganhavam, era deles. Ele não tinha nada nas mãos, era humilde”, lembra ela.

Para a família, a droga e a arma que a polícia disse ter encontrado entre as coisas de Davi foram implantadas. O dinheiro que ele havia ganhado trabalhando no sábado, dia de grande movimento na cidade, não foi entregue aos parentes. “Ele ganhava muito bem, comprou carro, comprou casa, comprou dois pontos de barbearia. Meu irmão era gente de bem”, assegura ela. A família morou grande parte da vida no Bairro 135 e recentemente Davi tinha comprado um ponto da sogra no centro da cidade.

“A esposa dele está desolada, ainda não acredita em nada disso. O filhinho dele de um ano, coitado, era apegado demais ao pai. Ele era extrovertido. Brincava com todos, era humilde. É muita revolta”, completa a irmã. “Ele estava com um amigo de moto, o amigo correu e ele ficou e eles ainda mataram meu irmão. Não sei o que ganham tentando incriminar uma pessoa. Meu irmão nunca usou drogas, nunca chegou em casa atormentado por isso. Se tivesse, nós saberíamos”, conclui.

Em entrevista à TV Bahia, o amigo que estava com Davi no momento em que ele foi morto contou que ambos iam para casa quando ouviram um disparo. Ao olhar para trás, teriam visto que era a polícia. Atingido pelo tiro, Davi caiu da moto e a reação do amigo ao ver a cena foi correr. Por medo de represália, o rapaz que sobreviveu preferiu não aparecer e nem se identificar.

De acordo com a Polícia Militar, policiais da 27ª CIPM (Cruz das Almas) estavam realizando rondas no município quando teriam se deparado com dois indivíduos numa moto. Ao perceber a aproximação da viatura, a dupla teria efetuado disparos contra a guarnição, que revidou. A PM disse que, ao fim dos tiros, um homem foi encontrado caído no chão e levado para o Hospital de São Félix, onde foi constatado o óbito. 

Com ele, os militares disseram ter encontrado um revólver, dois tabletes de maconha, sete trouxinhas da mesma droga, 153 pinos vazios para acondicionar cocaína e a própria moto que usavam. A ocorrência foi registrada na Delegacia de Cruz das Almas. Por telefone, o CORREIO tentou contato com a unidade para entender detalhes do fato, mas não teve retorno.

CONFIRA NA ÍNTEGRA A NOTA DO PREFEITO:

“Meus amigos e minhas amigas de São Félix, 

Recebi com consternação a notícia da morte do jovem Davi. Ainda não sabemos ao certo o que aconteceu, mas por conhecer o histórico de um jovem trabalhador, tranquilo, querido por todos, nos entristece muito e causa indignação. Estou tomando as devidas providências para buscar entender o que houve, mas no momento meu sentimento é de pesar e de solidariedade a seus familiares, amigos e toda comunidade sanfelixta, que sofre com esse fato lamentável.

Me coloco à disposição da família do jovem Davi, para o que necessitar. Estamos juntos nesse momento de tristeza, dor e pela busca de justiça, para que esse caso seja investigado.

Alex Aleluia
Prefeito de São Félix”

Fonte: Correio