Mano Menezes confirma Douglas no gol e pede atenção com o Defensa

O goleiro Douglas Friedrich será um dos titulares do Bahia na partida de ida pelas quartas de final da Copa Sul-Americana, contra o Defensa y Justicia. O técnico Mano Menezes foi quem garantiu a escalação do jogador no duelo, que acontece nesta quarta-feira (9), às 19h15, na Arena Fonte Nova.

Douglas havia sentido um incômodo na coxa durante o jogo contra o Ceará, realizado no último sábado (5), pelo Brasileirão. O desconforto muscular fez com que o goleiro não participasse do trabalho com bola na última segunda-feira (7) e virasse dúvida contra os argentinos. Caso ele não pudesse atuar, Anderson e Mateus Claus disputariam a vaga.

Claus, aliás, foi um dos atletas que voltaram aos treinos após contraírem a covid-19. Além dele, retornaram os laterais Zeca e Juninho Capixaba e o volante Ronaldo. Mano apontou que deve utilizar os jogadores recuperados, mas o uso deles será equilibrado, avaliando o quadro físico de cada um.

“Recebemos boas notícias, a maioria dos jogadores está liberada. Alguns sofreram um pouco mais, outros menos. Vamos equilibrar o aproveitamento deles para que seja realmente um fator positivo sem ter risco de colocar um jogador que não tenha condição. São jogos fortes e quem entra tem que ter capacidade de responder isso. Amanhã, ninguém vai querer saber se alguém não for bem porque não estava apto para jogar. É uma responsabilidade que cabe ao treinador e a gente conversa com todos dentro do clube, das áreas pertinentes, para tomar a decisão mais correta possível. E é isso que nós vamos fazer. Douglas vai jogar”, disse o técnico.

Além da Copa Sul-Americana, o Bahia disputa a Série A, gerando um calendário apertado, com uma grande sequência de jogos em pouco tempo. Atualmente, a média é de uma partida a cada três dias. Com pouco tempo para treinar e recuperar os atletas fisicamente, Mano tem promovido rodízio na equipe titular. Na última semana, usou força máxima no torneio internacional e escalação mista no nacional.

O técnico admite que é “complicado” equilibrar as duas competições – no Brasileiro, o Esquadrão não vive bom momento, somando três derrotas seguidas, para RB Bragantino, São Paulo e Ceará. Mas confirmou que deve seguir nesse esquema enquanto está próximo do título da Sul-Americana.

“Extremamente complexo equilibrar tudo isso, sem dúvida nenhuma. É uma parte que temos muitos jogos. E, na medida em que avançamos na Sul-Americana, diminuímos ainda mais esse período de recuperação. Mas é um fator positivo, estamos a cinco partidas de poder conquistar algo inédito, grandioso para o clube. Não podemos abrir mão disso agora. Já andamos um longo caminho com méritos, dedicação, entrega. Não tem sentido chegar agora e não dar o melhor nesse momento importante. O que não quer dizer que vamos abrir mão do Campeonato Brasileiro. Quando você tira alguns jogadores, você não está fazendo isso, na prática. Você está colocando jogadores que têm condição melhor naquele jogo porque estão mais inteiros e podem render mais. É isso que vai nortear esses próximos dias. E espero que a gente continue com esse ‘problema’, porque aí é sinal que vamos estar avançando na Sul-Americana”, comentou.

O Bahia avançou às quartas de final após bater o Unión Santa Fe por 1×0 na Fonte Nova e empatar em 0x0 fora de casa. Já o Defensa y Justicia conquistou a vaga sobre o Vasco, depois de ficar no 1×1 na Argentina e derrotar o rival carioca em São Januário por 1×0. 

Para Mano, o ideal seria repetir o feito das oitavas: vencer em casa sem ser vazado. Mas o treinador lembra que é preciso ter maturidade para lidar com outro cenário, caso aconteça.

“O mais importante é sair com o triunfo sem sofrer gols. Esse é o ideal. Mas veja a diferença do adversário que vamos enfrentar. Empatou em casa e veio buscar o resultado fora [nas oitavas, contra o Vasco]. Tudo é possível em jogos como esses. Você tem que saber tirar o melhor. Vamos  buscar ter a maturidade que tivemos diante do Unión Santa Fe. Jogo na nossa casa foi muito difícil. A equipe, em determinados momentos, teve que defender mais do que queríamos. Em outros momentos, agrediu mais. Quando fizemos as alterações, o time foi mais agudo, fez o gol e soube administrar, mesmo com grau de dificuldade grande, que foi jogar fora. Jogo fora sempre tem caráter muito pior, mesmo sem torcida. Temos que buscar esse triunfo sem sofrer gols. Para isso que vamos trabalhar. Mas sem aquele fantasma. Podemos sofrer um gol, mas o mundo não pode acabar. Tem que saber encontrar soluções em todos os casos”.

Ainda ao falar sobre o Defensa, Mano pregou cuidado e pediu que não fosse comparado o momento que o rival vive no Campeonato Argentino com sua performance na Sul-Americana.

“Sempre é difícil comparar competições diferentes, não dá para fazer isso. O Racing estava com dificuldade no Campeonato Argentino e acaba de eliminar o melhor time brasileiro, campeão da Libertadores [o Flamengo]. Não existe isso, cada jogo é sua história. O Defensa acaba de eliminar o Vasco, chegou às quartas de final assim como nós e tem seus méritos. É um time que tem qualidade de jogo, diferente do adversário que enfrentamos e eliminamos nas oitavas. É um time que joga mais, tem jogadores com qualificação técnica para propor o jogo. Em determinados momentos, vamos propor e em determinados momentos, vamos nos defender, nos posicionar bem e saber entender cada momento do jogo”.

Fonte: Correio