Feira: pilastra cai sobre caminhão e deixa duas pessoas feridas em obra

Pilastra caiu em obra no bairro de Capuchinhos, em Feira de Santana

Pilastra caiu em obra no bairro de Capuchinhos, em Feira de Santana (Foto: Leitora CORREIO)

Um acidente em uma obra deixou pelo menos duas pessoas feridas na tarde desta quinta-feira (10), em Feira de Santana. Moradores informaram ao CORREIO que uma pilastra caiu em cima da cabine de um caminhão, por volta das 15h30, e partiu-se ao meio. Ninguém estava no veículo, mas, um trabalhador, que estava em cima da pilastra, caiu.

Testemunhas informaram que ele foi transferido para o Hospital Geral Clériston Andrade e encontra-se em estado grave. O Corpo de Bombeiros, duas ambulâncias da Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) e a Polícia Civil estiverem no local. O acidente aconteceu no bairro de Capuchinhos, entre a rua Frei Henrique de Ascoli e a Frei Hermenegildo Castorano. 

“Tem uma semana que começaram a colocar pilastras no terreno e caminhões com guincho. Aí a pilastra soltou do guindaste e caiu em cima. Parecia que o mundo estava se acabando, todo mundo saiu correndo para ver. Não fui lá, mas passei de carro minutos depois. Só vi as pilastras em cima da cabine do caminhão”, contou a empresária Sandra Borges, 52 anos, que mora logo atrás do terreno onde aconteceu o acidente. 

Por meio de nota, o Corpo de Bombeiros informou que “equipes do 2º Grupamento de Bombeiros Militar foram acionadas para atender uma ocorrência de desabamento de uma estrutura de concreto de uma obra, sobre um caminhão”. Ao chegaram ao local, “as duas vítimas estavam sendo atendidas por uma equipe do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu). Os bombeiros isolaram a área até a chegada da Polícia Civil”. 

O Corpo de Bombeiros disse que não há detalhes sobre a causa do acidente. Isso só será divulgado após a perícia da Polícia Civil, que não respondeu à reportagem até o fechamento desta matéria. Não há detalhes sobre o estado de saúde das vítimas nem a qual empresa pertenceria a obra. 

*Sob orientação da subchefe de reportagem Monique Lobo.

Fonte: Correio