O poder de ser do jeito que se é

O papel mais importante da moda é o de nos fazer sentir confortáveis em nossas próprias peles. Independentemente de tamanhos, idade ou qualquer outro padrão. Afinal de contas, nosso corpo é nossa melhor roupa, que precisa ser cuidada, empoderada e amada. E aliar isso a um consumo consciente de peças minimalistas, que podem ser reinventadas em diversas outras composições é o ideal. Isso faz seu guarda-roupa render e diminui o consumo acelerado.

Para celebrar a força do empoderamento que a moda pode promover, convidamos Lavínia Duarte, 23, recém formada em odontologia que usa sua imagem e história de vida para militar contra o preconceito e pela inclusão das pessoas com deficiência. Os convites para modelar surgiram esse ano e ela abraçou com entusiasmo. “Vi que esses trabalhos também ajudavam outras pessoas a se sentirem bem e isso me fez muito feliz”, declara.

Lavínia nasceu com uma má formação congênita do fêmur da perna direita (hipoplasia), mas isso nunca restringiu nada em sua vida. Ainda na infância, médicos sugeriram a possibilidade de amputação da perna, algo que foi rejeitado por seu pai, que preferiu deixar a decisão para a filha quando estivesse mais velha. E até hoje é algo que não  a atrai. “Faço tudo que quero, a prótese não me impediu de nada. Nunca fui de me esconder. E entendo que a família e amigos sempre foram importantes para me motivar ”, faz questão de pontuar. A gente aplaude! 

Produção de moda: Paula Magalhães (@paulamagalhaes1) e Leo Amaral (@leo_amaral) Peças todas da The Finds (@thefinds) Fotos Vinicius Moreira (@vinivius_vm) Modelo Lavínia (@lavinia.od) 

Fonte: Correio