Notificações de dengue, zika e chikungunya reduzem em 90% em Salvador

A Prefeitura de Salvador continua fechando o cerco contra o Aedes aegypti em toda cidade. O intenso trabalho desenvolvido pelas equipes do Cento de Controle de Zoonoses (CCZ) resultou em uma redução em 90% nas notificações para dengue, zika e chikugunya. No ano passado, foram registrados 1.348 ocorrências de arboviroses na capital baiana durante o mês de novembro. Em 2020, 126 casos das doenças foram notificados no mesmo período.

Para conter o avanço das arboviroses, a Secretaria Municipal da Saúde (SMS) deflagrou a maior estratégia de enfrentamento ao Aedes aegypti da história da cidade com realização de ações de campo durante os sete dias da semana, inclusive, nos finais de semana e feriados. Além disso, as equipes CCZ iniciaram a realização do trabalho de inspeção e bloqueio espacial com borrifação de inseticida para eliminar os mosquitos na fase adulta nas localidades alvo das medidas de restrição regionalizada.

“Iniciamos o ano de 2020 com um aumento de mais de 1.000% nos casos de dengue, zika e chikungunya na cidade. Para completar, com a chegada da pandemia, os agentes de combate às endemias ficaram impossibilitados em realizar as visitas domiciliares nas residências habitadas, ou seja, nos locais onde são identificados em média 80% dos focos”, afirmou Leo Prates, secretário municipal da saúde.

“Diante desse cenário desafiador, mapeamos os locais com rumores de surtos e intensificamos a aplicação do fumacê. Também implementamos horas extras para equipes de campo para atuação intensiva todos os dias da semana, além de destacar equipes exclusivas para atendimento rápido das demandas recebidas do Fala Salvador 156”, completou o gestor.

Operação Verão
Mesmo com a redução significativa de casos das arboviroses no município, a SMS mantém as ações ostensivas de enfretamento ao mosquito com mutirões de limpeza em bairros prioritários, abertura de imóveis fechados/abandonados com auxílio de um chaveiro, inspeção de praças e logradouros públicos em pontos turísticos da cidade, entre outras atividades. 

“Esse é um período bastante propício para proliferação do mosquito por isso não podemos baixar a guarda. Por isso estamos redobrando os atendimentos das ações que já fazíamos como bloqueios ampliados, além dos atendimentos via Ouvidoria pelo 156. Também contamos com o auxílio de toda população para evitar a formação de focos nas residências, cobrindo as caixas d’águas, verificando vasos de plantas e demais locais que possam acumular água parada”, explicou Andréa Salvador, coordenadora do CCZ.

Fonte: Correio