Policial aposentado ameaça moradores com arma de fogo em Camaçari

Um policial rodoviário federal aposentado ameaçou com uma arma de fogo, na tarde do dia 31, dois moradores na Rua Rio Pitanga, em Barra do Jacuípe, em Camaçari. Carlos Alberto Ribeiro foi flagrado pelas câmeras de segurança instaladas em frente à casa de Ricardo Roberto Leite devido às ameaças anteriores que o morador já vinha sofrendo. 

Ricardo chegava em casa com a esposa, quando Carlos Alberto acelerou o carro em direção ao casal, gritando que naquele passeio eram proibidos canteiros com palmeiras. Pelo vídeo é possível ver que o homem sai do carro e, exaltado, grita com o casal. Mesmo com pedidos para que ele se acalmasse, ele volta ao carro e pega uma arma. Apontando para o casal ele diz, segundo Ricardo, que que a pistola tinha 20 balas: 10 para Ricardo e 10 para a esposa dele. 

Segundo Ricardo, o ex-policial é presidente da associação de moradores do loteamento Vale da Landirana, que delimitou as ruas e instalou uma portaria para criar o condomínio Planeta Água. O condomínio, que não tem registro, passou a cobrar uma taxa de R$300 mensais por casa. Ricardo alegou na justiça que o loteamento é público, com manutenção de responsabilidade da prefeitura e a cobrança era, portanto, indevida e ganhou a causa no Ministério Público no final de 2019. 

Ricardo conta que as ameaças começaram quando a decisão do processo foi divulgada, contrária ao suposto condomínio, e outros moradores também quiseram acionar a justiça. As ameaças vieram em forma de perseguição e até arma de fogo apontada para Ricardo. A partir disso, com medo, o morador decidiu instalar as câmeras para obter provas concretas do ato criminoso. 

Procurada pelo CORREIO, a Polícia Rodoviária Federal informou que no ato da aposentadoria o policial devolve a arma brasonada da corporação. Desde que atenda os requisitos previstos em lei, o cidadão brasileiro poderá adquirir e portar arma de fogo para uso particular. A instauração de Procedimento Administrativo Disciplinar (PAD), na esfera administrativa, para apuração de ocorrências criminais alcança somente os servidores da ativa. Conforme a normativa penal, a ocorrência de delito, crime, ato infracional deverá ser registrada na Delegacia de Polícia Judiciária, que ficará responsável pela apuração do fato através da instauração de Inquérito Policial. 
 

*Com orientação do chefe de reportagem Jorge Gauthier

Fonte: Correio