'Essa queda ela não é real', diz Vilas-Boas sobre média móvel no estado

A queda na média móvel de casos de covid-19 na Bahia registrada nos últimos dias não é um retrato real do cenário da doença no estado. De acordo com o secretário de Saúde da Bahia, Fábio Vilas-Boas, os números atuais apresentam uma grande subnotificação por conta da transição de equipes nas secretarias de saúde dos municípios, devido as mudanças de gestão nas eleições do ano passado.

“Nós já estávamos antevendo que isso iria acontecer, aconteceu no período de Natal e Réveillon, os feriados prolongados e as secretarias não funcionaram no interior. E, agora, no começo do ano, houve uma significativa substituição de equipes, mais de 60% dos secretários foram trocados, as equipes de vigilâncias dos municípios estão começando a assumir suas funções e, portanto, esse número aí é artificial. Essa queda ela não é real, é uma queda de notificação exatamente por subnotificação”, disse em entrevista a TV Bahia. 

Ainda durante a entrevista, o secretário acrescentou que a expectativa é de que as notificações se regularizem até o final da próxima semana. “Essa foi a primeira semana de muitos secretários na Bahia. A secretária estadual tem trabalhado junto com Conselho de Secretários Municipais de Saúde, com a União de Municípios para que essa ativação se faça da forma mais rápida possível. Nós temos oferecido suporte por vídeo conferência para treinar essas equipes novas que entraram em alguns municípios. Isso deverá estar regularizado na próxima semana”, afirmou. 

Vilas-Boas destacou, porém, que os números de ocupação de leitos de internação e de óbitos seguem atualizados e esses dados estão apresentando redução e estabilidade respectivamente. “O número que a gente tem que ficar acompanhando é a taxa de internação de UTI [Unidade de Tratamento Intensivo] e a taxa de letalidade. E esses estão se mantendo estáveis, no caso da taxa de letalidade, e a taxa de UTI, paradoxalmente, está se mantendo em uma tendência de queda. Nós temos números de pacientes internados hoje menor do que os de duas semanas atrás”, falou.
 

Fonte: Correio