'Que seja virada de chave', diz Dado após Bahia voltar a pontuar

O empate entre Bahia e Atlético-GO, por 1×1, na noite deste domingo (10), no estádio Antônio Accioly não alterou o drama que o tricolor vive na luta contra o rebaixamento no Campeonato Brasileiro. Mas o resultado foi analisado pela ótica do copo meio cheio pelo técnico Dado Cavalcanti. 

O ponto conquistado diante do Dragão veio em tom de alívio para o treinador, e tem uma explicação. O Bahia vinha de sete derrotas seguidas na Série A e por muito pouco não completou a oitava. Após a partida, Dado elogiou a atuação da equipe disse que a partida pode simbolizar a virada de chave do Esquadrão no torneio. 

“O ponto nos faz dá um passo à frente. Dizer que estou satisfeito com isso não é a melhor situação. Creio que fizemos mais um bom jogo, acredito que poderíamos ter vencido a partida. É um sentimento ambíguo, poderiamos ter vencido, fizemos por onde, mas é mérito dos jogadores que lutaram até o fim. Espero que sejam o empate com um simbolismo da virada de chave, para a gente sair desses 28 pontos que estacionamos e que a gente consiga novos resultados, triunfos pela frente”, disse ele.
 
“Faltou mais tranquilidade no passe final, pesou o fato de, mais uma vez ter tomado o gol no início do jogo, tivemos que correr atrás, e quando corre atrás gasta mais energia do que o adversário, fica mais vulnerável, a confiança fica abalada. Porém hoje conseguimos ser mais agressivos e concentrados para não dar tantos espaços, o adversário não ampliou o placar, conseguimos o empate e faltou pouco para que a gente voltasse a vencer”, continuou o treinador.

Dado aproveitou ainda para explicar as mudanças que fez no time. Mesmo tendo elogiado a postura do meio-campo na partida contra o Grêmio, ele sacou Ramon do time e voltou ao esquema com um atacante aberto. Segundo ele, a saída do volante foi uma opção tática.  

“A condição do Ramon aconteceu por uma troca tática. No jogo passado utilizei quatro homens de meio, Ronaldo, Ramon, Daniel e Ramírez, mas fiz a opção diferente de utilizar apenas três. Dei preferência ao Daniel e ao Ramírez, por isso o Ramon ficou no banco”, explicou.

Já sobre a defesa, Dado afirmou que optou por Juninho no lugar de Anderson Martins pela velocidade que o primeiro defensor pode dar ao sistema do Esquadrão.  

“Anderson (Martins) fez a melhor partida dele no Bahia [contra o Grêmio], porém é um jogador que joga mais pelo lado esquerdo e o Juninho havia ficado fora do jogo. A grande diferença entre os dois é que o Anderson é construtor, mas técnico, o que me dá um retorno positivo, mas o Juninho é um jogador mais rápido. Optei por dar mais liberdade ao Matheus Bahia, os contra ataques poderiam surgir nas costas do Matheus, como aconteceu. Foi uma escolha estratégica”, afirmou.

O Bahia agora volta aos gramados apenas no dia 20 de janeiro, quando recebe o Athletico-PR, na Fonte Nova. Restando nove jogos para o fim da Série A, o Esquadrão soma 29 pontos. 

Fonte: Correio