Enem 2020: possíveis temas de redação, matérias que mais caem, e o que revisar

Quais são os possíveis temas da redação do Enem? Quais temas podem cair no Enem? Quais são as matérias da escola que mais caem no Enem? Quantas questões tem o Enem? Como saber meu local de prova do Enem? Que dia é o Enem? O Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) de 2020, adiado para o início deste ano devido à pandemia de Covid-19, será aplicado nos dois próximos domingos, 17 e 24 de janeiro.

A prova tem 180 questões objetivas, ou seja, de múltipla escolha, cada uma com quatro opções de respostas, A, B, C ou D. Há, também, uma proposta de redação que deve ser feita pelo candidato de acordo com o tema escolhido, em estrutura de dissertação argumentativa. 

Com 5,8 milhões de escritos, a prova é porta de entrada para estudantes em universidades públicas e privadas Brasil afora, e, com a proximidade do exame, dúvidas costumam surgir na cabeça de quem vai encarar o desafio. Nesta reportagem, O TEMPO conversou com professores do Chromos, para tentar descobrir as respostas para essas questões. 

Como saber o local da prova

Para ter sucesso no exame, ou brilhar na redação, primeiro é preciso chegar até o local da prova – sem quaisquer atrasos. Mesmo que o candidato chegue segundos atrasado, ele não será autorizado a fazer a prova. Por isso, confira várias vezes onde será a aplicação, anote o horário e chegue, com, pelo menos, uma hora de antecedência.

Para descobrir o local de prova, acesse este link e entre com os dados necessárias para acessar a informação.

O que levar para o Enem?

Também é importante frisar que só é permitido o uso de canetas com corpo transparente, borracha, e lapis na prova. É possível levar um lanche, desde que esteja lacrado, e uma garrafa de água. Documento de identificação e cartão de inscrição na prova são indispensáveis. Todos os outros pertences do aluno devem ser depositados em um saco plástico fornecido pelo Ministério da Educação (MEC), que será lacrado. 

História

Em história, o período do Brasil Império, desde a independência, até a proclamação da antiga República, é uma das grandes apostas para este ano, explica o professor de Rodrigo Martelli.

No ano passado, foram duas questões sobre o tema, dentre as 15 dedicadas à matéria. “Principalmente pensando no segundo reinado, de Dom Pedro II. Outro conteúdo recorrente é a República Velha, em especial o coronelismo, no clientelismo, no assistencialismo, e pensando nas revoltas contra a ordem vigente. Revolta da vacina, revolta da chibata, guerra de Canudos”, explica.

A Era Getúlio Vargas, que abrange o período desde 1930 até o final de Segunda Guerra Mundial, é outro tema que merece atenção dos estudantes, seguido pela Ditadura Militar, entre 1964 e 1985, que costumam ser abordada anualmente na prova. A Idade Média costuma aparecer sempre, assim como a ascensão do fascismo, no início dos anos 1930, afirma Martelli.

Geografia

Historicamente, questões de geografia costumam ser voltadas para geografia agrária, relações de produção no campo, conflitos pela posse da terra, e, em seguida, temas ambientais e ligados à economia global. A geografia física costuma aparecer menos, mas é bom revisar os conteúdos antes de fazer a prova. 

A explicação é do professor Gustavo Ribas. A dica, pontua o docente, é identificar os contextos na prova e tentar analisar a questão a partir do que foi estudado em sala de aula.

Linguagens

O assunto mais recorrente, que é uma intercessão entre literatura e Língua Portuguesa, são as funções da linguagem. O professor Aloísio Andrade explica brevemente quais são as seis funções, que sempre caem na prova do Enem.

“Temos seis elementos da comunicação: o emissor, a mensagem, e o receptor. A mensagem tem um referente, fala sobre algo, e essa mensagem se realiza por meio de um código, conjunto de sinais, como a língua, e, por último, um canal, no qual ela é transmitida. Para cada elemento, temos uma função. Se um texto dá muita ênfase para o que o emissor acha, por exemplo, será emotiva”, leciona. 

“Se for uma notícia, será referencial. Se o texto tem uma preocupação com o receptor, como a publicidade, será uma função apelativa ou conativa. Se tem uma preocupação com a estética, será poética. Se o texto se preocupa em debater o próprio código, como uma gramática, será metalinguística. Por fim, há a função fática, que existe quando há o objetivo de testar o meio da mensagem”, conclui.  

Análise de textos publicitários também são comuns nas provas do Enem, em especial na mistura de texto e imagem e interpretação da mensagem anunciada. Por último, marcas de interlocução, verbos no imperativo, vocativo, pronomes na segunda pessoa, etc, costumam aparecer junto às questões que tratam de propagandas. 

Filosofia

O foco da prova deste ano, assim como nos anteriores, deve ser no conteúdo. O aluno deve estar preparado para responder questões sobre autores específicos, correntes de pensamentos, ou argumentos desenvolvidos durante a história. A ética deve ser o tópico mais importante no Enem de 2020, prevê Bruno Petersen, professor de filosofia. 

Ele recomenda que alunos revisem as três teorias éticas clássicas, de Aristóteles, da virtude, a de Kant, teoria do dever, e do utilitarismo. “É interessante ver, também, uma contraideia ética, como proposto por Nietzsche, de contrariar a ética clássica. De modo geral, são esses conteúdos que importam mais para a prova”, defende Petersen. 

Redação

Neste ano, o Enem vai cobrar, como sempre, a dissertação argumentativa na prova de redação. A prova, conforme a professora Janiny Nominato, espera que o aluno levante uma discussão a respeito de um tema e, a partir dele, saiba apresentar uma situação problema e, sobre ela, se posicionar fronte à temática. É preciso defender, com argumentos, o ponto de vista escolhido pelo aluno. 

“Não somente isso, mas é avaliada a capacidade do candidato de propor soluções para o cotidiano. Quando o aluno sabe se posicionar frente a uma situação problema, apresentar a defesa do seu ponto de vista, é necessário, também, demonstrar conhecimento para propor intervenções para os problemas. Em termos de estrutura, é isso que o Enem espera”, diz.

Janiny aposta que, em 2020, temas de cunho político e social devem ser escolhidos. Dentre eles, ela cita o problema do analfabetismo no Brasil, temas voltados para a educação, temas voltados para a saúde, como tabagismo ou obesidade. Contudo, a professora ressalta: “um bom candidato é aquele que se prepara para qualquer temática que caia no Enem”. 

Quer revisar o conteúdo nesta semana final antes do Enem? Clique aqui e se cadastre para acompanhar o Interprovas, uma revisão com os conteúdos mais cobrados do Enem, e também o aulão de véspera no sábado. 

Fonte: Agencia Brasil