Após abstenção recorde, Enem tem segundo dia de provas neste domingo

Ocorre neste domingo, 24, o segundo dia de provas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) em todo o país. Os participantes vão responder questões de ciências da natureza e suas tecnologias e ainda de matemática e suas tecnologias. O segundo dia do exame ocorre após uma abstenção recorde no primeiro dia, no domingo, 17, quando alunos chegaram a ser barrados na entrada dos locais de prova. 

O Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep) reforça que as diretrizes de prevenção contra a Covid-19 devem ser seguidas. Entre as medidas implementadas pelo órgão estão a oferta de álcool em gel nas salas e a obrigatoriedade do uso de proteção facial durante a prova.

“As máscaras serão verificadas pelos fiscais para evitar infrações. O participante que não utilizar a máscara cobrindo totalmente o nariz e a boca, desde a entrada até a saída do local de provas, ou recusar-se, injustificadamente, a respeitar os protocolos de prevenção contra o coronavírus, a qualquer momento, será eliminado do exame”, informou o Inep em nota neste sábado, 23. 

O órgão federal lembrou que pessoas que não poderem comparecer em razão de um diagnóstico por Covid-19 ou outra doença infectocontagiosa, tinham até este sábado, 23, para solicitar a participação na reaplicação das provas, prevista para 23 e 24 de fevereiro. 

No primeiro dia da aplicação das provas do Enem de 2020, ocorrido no domingo, 17, 2.842.332 participantes não compareceram às salas de aula. Apesar da taxa recorde de ausência entre todas as edições da avaliação, de 51,5%, o Ministério da Educação (MEC) considerou um sucesso a edição do exame realizada em meio à pandemia de Covid-19.

Outro problema ocorreu com alunos barrados. O Inep informou que os casos ocorreram em 11 locais de provas das cidades de Florianópolis, Curitiba,  Londrina (PR), Pelotas (RS), Canoas (RS) e Caxias do Sul (RS).  

O Estadão mostrou que um documento com a distribuição de candidatos em um dos locais de aplicação do Enem prova que partiu da Cesgranrio, fundação contratada pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep), a ordem para usar 80% da capacidade das salas de aula no exame.

Fonte: Agencia Brasil