Santos proíbe consumo de bebida alcoólica em área pública a partir das 20h

O consumo de bebidas alcoólicas em áreas públicas de Santos (72 km de SP) está proibido diariamente a partir das 20h desta terça-feira (26). A medida foi tomada em adequação às novas determinações do governo do estado, na semana passada, para tentar conter o avanço de casos e mortes pela Covid-19.

Desde segunda-feira (25), as cidades da Baixada Santista estão na fase laranja do Plano São Paulo até às 20h. A partir deste horário, até às 6h, e em todo o dia nos fins de semana, os municípios passam para a fase vermelha, em que é proibido a presença de público em restaurantes, apenas venda por delivery. O consumo local em bares é totalmente proibido em qualquer horário em todo o estado.

Mas o município do litoral resolveu restringir ainda mais as regras à noite e durante a madrugada. Segundo a Prefeitura de Santos, gestão Rogério Santos (PSDB), ninguém poderá consumir bebida alcoólica na areia e calçadão da praia, ruas, avenidas, além de praças, entre às 20h e 6h. As multas para quem descumprir as medidas oscilam entre R$ 1.500 e R$ 12 mil, conforme o Código de Postura do Município.

Além da proibição do consumo de álcool em áreas públicas, o decreto municipal também prevê aumento na coibição de eventos irregulares e mais fiscalização para pessoas que circulam sem máscara.

“Vamos fiscalizar baladas e festas clandestinas, além dos estabelecimentos que não cumprem os protocolos. Infelizmente existem, mas são exceção”, afirma o prefeito.

O decreto ainda será publicado no Diário Oficial do município, mas, em nota, a prefeitura diz que já está valendo.
No fim de semana, por causa do feriado do aniversário de São Paulo, celebrado nesta segunda, Santos já havia implantado barreiras para evitar turistas de um dia na cidade.

Outros municípios de São Paulo também endureceram ações para tentar frear a alta de casos do novo coronavírus. Tupi Paulista (646 km de SP), por exemplo, decretou toque de recolher. Quem for flagrado na rua entre 20h e 5h, sem comprovar necessidade, pode ser multado em R$ 100.

Fonte: Agencia Brasil