Mais de 48% da população estimada para as fases 1 e 2 ainda não foi vacinada na Bahia

Chegou nesta quinta-feira (1°) à Bahia o maior lote de vacinas contra a covid-19 desde o início da vacinação, em janeiro. Foram 606.950 doses recebidas, sendo 45.750 da Astrazêneca e 561.200 da Coronavac. Mas, essa quantidade ainda não deve acelerar tanto a campanha de imunização. Isso porque cerca de 48,5% das pessoas contempladas nas fases 1 e 2 de prioridade, que já estão em andamento, ainda não se vacinaram e, de acordo com a coordenadora estadual de imunização, Vânia Vanden Broucke, as vacinas recebidas são em sua maioria remessas de segundas doses.

Na fase 1 do plano de vacinação estão os profissionais de saúde, idosos de 75 anos ou mais, idosos em instituições de longa permanência e indígenas e povos tradicionais. Segundo dados da Secretaria de Saúde da Bahia (Sesab), do total de 1.791.438 pessoas previstas neste grupo, 991.320 foram vacinadas até ontem, o que representa, aproximadamente, 55%. Na fase 2, estão os idosos entre 60 e 74 anos, que somam 1.426.043 pessoas. Dessas, 664.722 receberam ao menos a primeira dose, representando cerca de 47% do grupo. 

No estado, já foram aplicadas cerca de 1,6 milhão de vacinas de primeira dose e cerca de 321 mil de segunda dose. Com isso, com base no número utilizado pelo governo do estado como população estimada em 2021 (14.985.070 pessoas), a Bahia vacinou cerca de 11% da sua população. De acordo com a infectologista Adielma Nizarala, a chamada imunidade de rebanho, quando o vírus não acha mais pessoas suscetíveis à doença, deve acontecer quando 75% a 80% da população estiver vacinada.

Mais de 600 mil doses chegaram à Bahia; de acordo com a Sesab, os profissionais da educação estão entre os próximos a serem vacinados (Foto: Divulgação/Sesab)

Chegada de novas doses
As 606.950 doses de vacinas recebidas pela Bahia chegaram ao hangar do Grupamento Aéreo da Polícia Militar da Bahia (Graer), em Salvador e foram encaminhadas para que começassem a ser distribuídas para os municípios. Com essas novas doses, já chegaram ao estado, no total, cerca de 3 milhões de vacinas. 

A maioria das unidades recebidas serão utilizadas como segunda dose. “Iremos liberar nesta quinta para os municípios duas remessas de segundas doses, referentes ao dia 10 de março. A remessa do dia 17 de março ficará retida ainda nas centrais regionais de Rede de Frio para que, na próxima semana, possa ser entregue também nos municípios”, anunciou a coordenadora estadual de imunização, Vânia Vanden Broucke. Segundo a Sesab, seguindo a orientação do Ministério da Saúde, as últimas remessas recebidas estavam sendo liberadas por completo para aplicação da primeira dose.

Doses recebidas pela Bahia:

  • 01/abr: 606900
  • 26/mar: 347000
  • 20/mar: 441200
  • 17/mar: 308600
  • 09/mar: 178600
  • 03/mar: 165600
  • 24/fev: 208700
  • 06/fev: 186200
  • 25/jan: 54600
  • 24/jan: 119500
  • 19/jan: 376600

Situação da vacinação
Na Bahia, além do público contemplado nas duas primeiras fases do plano de vacinação, também já estão autorizados a se vacinar pessoas com doença renal crônica em tratamento de hemodiálise e profissionais das forças de segurança e salvamento. Esses últimos incluem policiais federais, militares, civis, bombeiros e guardas municipais que estão na ativa e têm mais de 50 anos de idade.

De acordo com a Sesab, a previsão é que com a chegada das vacinas Sputnik V a partir de abril, ainda sem data definida, os profissionais da educação comecem a ser vacinados. Estão previstas 9,7 milhões de doses para a Bahia entre abril e julho.

Salvador
Em Salvador, o estoque de vacinas não duraria mais muito tempo. Nesta quinta, as doses acabaram em diversos postos da capital, como o 5ª Centro de Saúde, a Arena Fonte Nova e a USF Cajazeiras X. Mesmo com a chegada de novos imunizantes, de acordo com a Secretaria Municipal de Saúde (SMS), a vacinação nesta sexta-feira (02) estará suspensa. A imunização contra o coronavírus será retomada no sábado (3) e no domingo (4), sendo somente a primeira dose para idosos e a segunda dose para idosos e trabalhadores da saúde. Todas as demais categorias de primeira dose estão suspensas. 

Com o baixo estoque, nem todos que foram até os pontos de vacinação ontem saíram de lá vacinados. O marido da aposentada Irene Serra, de 63 anos, chegou atrasado. “Ele tem 64 anos e ia se vacinar nesta quinta, mas as doses acabaram. Ele foi de manhã no posto de Cajazeiras X, mas não tinha mais. Aí, agora, só no sábado”, disse ela. Irene aguarda também a sua vez de receber o imunizante. “Eu estou aqui ansiosa para poder me vacinar logo. Eu sou diabética e hipertensa, então a expectativa é grande, fico contando os dias. Dos 11 irmãos, só quem falta ser imunizada sou eu”, completou.

Marli, de 64 anos, recebeu nesta quinta a primeira dose da vacina (Foto: Arquivo pessoal)

A também aposentada Marli Alves, de 64 anos, foi cedo para a fila da vacinação e conseguiu receber a primeira dose. “Eu cheguei na fila para o Centro de Convenções por volta de 7h30. Eu estava muito ansiosa para me vacinar. Minhas irmãs são mais velhas e já tinham sido imunizadas e minha filha também, porque ela é profissional de saúde. Então eu estava doida para que chegasse logo a minha vez. Me aposentei em fevereiro de 2020 e ainda não consegui ainda aproveitar por causa desse vírus”, contou. 
 
A aposentada Evandir Andrade, de 64 anos, também recebeu nesta quinta a primeira dose da vacina, mas a comemoração não pode ser completa. “Hoje, foi um dia de alegria e de tristeza ao mesmo tempo. Me emocionei muito de ter tomado a primeira dose porque estava na esperança da vacinação para poder abraçar meus filhos, mas estou lamentando porque minha irmã (61 anos), que deveria ser a próxima da família a se vacinar, foi intubada hoje na UTI na luta contra essa doença cruel”, desabafou. 
 
Na capital, os policiais militares com idade igual ou superior a 50 anos começaram a se vacinar nesta quarta-feira (31). A cidade está protegendo, por enquanto, idosos com idade igual ou superior a 64 anos, além dos trabalhadores da saúde e pacientes em hemodiálise. A Prefeitura de Salvador já imunizou com a primeira dose mais de 370 mil pessoas, o que corresponde a mais de 64% do público eletivo estimado para as quatro fases da Campanha de Vacinação contra a covid-19 no município. Dessas, cerca de 80 mil receberam também a segunda dose.

Imunidade
Em Salvador, até o dia 31 de março, 3,5 mil pessoas ainda não tinham comparecido aos pontos de imunização para receber a segunda dose da vacina contra covid-19. A recomendação é que a dose de reforço da CoronaVac seja aplicada 28 dias após a administração da primeira. A informação sobre a data de retorno para aplicação da segunda dose está contida no cartão de vacinação do cidadão e, no portal www.saude.salvador.ba gov.br/vacinacao-covid/, é possível consultar o dia que cada pessoa deve retornar aos postos. 
 
“É necessário que as pessoas sigam rigorosamente as orientações prestadas pelo Programa Nacional de Imunização, que estão alinhadas com as recomendações dos fabricantes dos imunizantes, para assegurar a proteção contra o vírus. O esquema vacinal incompleto não assegura a imunidade contra a doença”, afirmou a médica infectologista Adielma Nizarala.
 
Além disso, a médica alerta para a importância de continuar com os cuidados mesmo após a segunda dose da vacina. Quem se vacina não está imediatamente protegido – este processo começa, em média, duas semanas após a aplicação da segunda dose. “Os vacinados são imunizados, mas isso não impede que ele contraia o coronavírus. A imunidade lhe oferece a garantia de não fazer quadros graves da doença, mas ainda não há consenso que a pessoa imunizada, quando pega o vírus, transmite ou não”, ressalta.
 
 *Com orientação da chefe de reportagem Perla Ribeiro

Fonte: Correio