Prefeitura de Salvador quer iniciar vacinação dos professores ‘nos próximos dias ou semanas’

Após começar a vacinar policiais, bombeiros e guardas municipais, a prefeitura quer iniciar logo a vacinação dos professores para permitir o breve retorno das aulas presenciais na cidade. A informação foi confirmada ao CORREIO pelo secretário Municipal de Educação (Smed), Marcelo Oliveira, que não cravou uma data de início, mas disse que deve acontecer “nos próximos dias ou semanas”.  

“Uma vez que não sou secretário de Saúde e não posso determinar quando começa a vacinação, o que a gente pode dizer é que há uma sequência de fatos que estão prestes a acontecer. Estou com expectativa de que, nos próximos dias ou semanas, a gente tenha a vacinação dos profissionais da educação que atuam nas escolas e isso vai criar as condições objetivas para o retorno das aulas presenciais”, afirmou.  

Ainda para o secretário, a vacinação deve começar com os profissionais da educação pública municipal. “Eu imagino e aposto que a prioridade seja os professores da rede pública, pois eles atendem principalmente as famílias mais humildes e em situações de vulnerabilidade. Uma vez acontecendo isso, cria-se as condições de retomar as aulas presenciais de todos”, defende.  

Essa informação já foi divulgada pela prefeitura para os empresários e gestores de escolas particulares que participaram de uma reunião com o secretário nesta quinta-feira (1º). O Sindicato das Escolas Particulares (Sinepe-BA) e o Grupo de Valorização da Educação (GVE) ficaram animados com a notícia e já esperam que o prefeito Bruno Reis defina, na próxima semana, o calendário para retomada das aulas presenciais. No entanto, o secretário reforçou que isso depende do início da vacinação dos professores.  

“A angustia para voltar as aulas é minha, dos professores, dos diretores, da população em geral, mas tem o temor e todo o desafio envolvido. O Ministério da Saúde já antecipou a vacinação dos professores da quarta fase para a segunda fase, que é a que vivemos agora. Nossa expectativa é que ela aconteça nos próximos dias. Queremos ter minimamente a primeira dose da vacinação iniciada”, disse.  

Leia mais: Sem aulas presenciais, municípios da Chapada criam soluções para manter vínculo com alunos

Repercussão 
Porta-voz e diretor financeiro do Sinepe-BA, Jorge Tadeu classificou a informação como uma “grande notícia” e disse que é alta a expectativa no meio para o anuncio da prefeitura. “Nós esperamos que o prefeito dê uma grande notícia a população: primeiro, o início da vacinação pelos educadores da rede pública e depois da rede privada e, segundo, o início do retorno da rede privada começando facultativo, híbrido e com atenção nos protocolos”, aponta.  

Essa forma de retorno também é compartilhada pelo GVE, que afirma que a prefeitura tem se mostrado bastante flexível na busca de um entendimento para a volta às aulas. Para o grupo, as escolas que estejam com todos os protocolos de segurança implantados devem abrir de forma facultativa e as famílias podem optar pela manutenção do ensino virtual por um tempo. 

“Falamos também que escolas particulares e escolas públicas, apesar de certas diferenças de estrutura, devem se preparar para a retomada das aulas presenciais. Todos os alunos, de todo o sistema educacional, estão sendo afetados com o fechamento das escolas desde março do ano passado”, disse Viviane Brito, do Villa Global Education.  

“Estamos na expectativa do início da vacinação dos profissionais da educação nas próximas semanas, o que vai ampliar a segurança de todos os envolvidos no processo educacional, dando mais tranquilidade para alunos e familiares e reduzindo as possibilidades de contágio em ambiente escolar”, concluiu. 

Ainda segundo o GVE, também ficou assegurado o direito das áreas administrativas das escolas funcionarem normalmente a partir da próxima semana, mesmo antes da definição sobre o novo calendário de retorno das aulas presenciais. 

Leia mais: Sem estudantes vacinados, que sentido faz professores/as terem prioridade?
Leia mais: Johnson & Johnson começa a testar vacina contra covid em jovens de 12 a 17 anos

* Com orientação da chefe de reportagem Perla Ribeiro. 

Fonte: Correio