Fake news prejudicam avanços que podem vir com a vacinação contra a Covid-19

Cientistas, médicos, políticos e intelectuais de todo o mundo são muito claros em defender a melhor solução para se acabar com a pandemia do novo coronavírus: vacinação em massa. Mas, mesmo com um grande número de informações à disposição da população, há ainda quem vá às redes sociais para dizer que não confia nos imunizantes ou espalhar notícias falsas sobre o tema. 

Esse movimento antivacina, que tem ganhado espaço em diferentes países, ignora todos os benefícios que o investimento em imunizações no geral trouxe para a humanidade, especialmente após o século XX. No Brasil, por exemplo, as vacinas foram fundamentais para o controle de doenças como tuberculose, meningite e sarampo. 

Pólio

Quem tem mais de 50 anos provavelmente conheceu alguém que sofreu algum tipo de paralisia motora depois de ter contato com o vírus da poliomielite. 

Entre as gerações seguintes, é mais difícil encontrar casos de vítimas da doença conhecida como “paralisia infantil” graças à vacinação em massa realizada no Brasil na década de 1980. 
De acordo com o Ministério da Saúde, foram registrados no país 26.827 casos de poliomielite entre 1968 e 1989. A partir da década de 1990, a doença foi erradicada em território brasileiro, graças à intensa campanha de vacinação, contando inclusive com o popular personagem Zé Gotinha. 

A reportagem separou o texto de seis mensagens sobre vacinas que têm circulado por redes sociais nos últimos dias e conferiu a veracidade das informações com o pediatra e epidemiologista José Geraldo Leite Ribeiro, presidente do Departamento Científico de Imunização da Sociedade Mineira de Pediatria. 

Fonte: Agencia Brasil