Cadeirante mata idosos com marretadas e dorme entre corpos: 'Me arrependo não'

O cadeirante Rafael Dias Santos, de 32 anos, confessou ter assinado a marretadas os idosos Almir Ribeiro Sena, de 65 anos, e Odorico de Almeida Neves, de 83, em uma casa de reabilitação para dependentes químicos no fim da noite dessa segunda-feira (26) em Vila Velha, no Espírito Santo. Preso em flagrante, ele afirmou em entrevista à “TV Gazeta” que dormiu “tranquilamente” entre os corpos das vítimas. 

“Eu assassinei os dois a marretadas. Primeiro matei o Almir. Chamei e acordei ele, e na hora que ele acordou eu dei umas 15 marretadas na cabeça dele. Depois acordei o ‘Seu Odorico’, assassinei ele e continuei dormindo. Dormi tranquilo. Na hora que chamei ele (Almir), ele olhou para mim e dei a primeira marretada na cabeça dele, umas 10, 15. Aí o outro, meio sonolento, o ‘Seu Odorico, acordou.  Aí eu puxei a cama para passar no meio, chamei por ele, e quando ele disse ‘oi’ eu já dei a primeira na cara dele. Depois fui e joguei o cobertor na cara dele para sufocar ele logo”, relatou Santos, no que a rede de televisão descreveu como um discurso “frio”.

O cadeirante estava internado no local há cerca de dois meses e estava sendo tratado para vício em crack e outras drogas. Os idosos assassinados por ele sofriam com alcoolismo. Santos foi preso pela Polícia Militar (PM) e encaminhado à Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) da cidade, onde prestou depoimento. Apesar do testemunho do homem, a PM acredita que os idosos não estavam acordados quando foram mortos, e perícia da Polícia Civil será realizada para elucidar o ocorrido. 

Santos alegou que os idosos “o “ameaçavam”, mas não detalhou o teor das supostas ameaças no depoimento. “Fui ameaçado várias vezes, constantemente. ‘Seu Almir’ era agressivo e ‘Seu Odorico’ também. Ele chegou ao ponto de falar que ia meter a faca em mim. Me arrependo, não. Me arrependo, não”, disse. 

Os corpos dos dois idosos foram periciados na instituição e encaminhados para o Instituto Médico legal (IML) de Vitória, capital do Estado. Santos já tinha duas passagens por roubo, conforme reportado pela Secretaria de Estado de Justiça do Espírito Santo.

Fonte: Agencia Brasil