Prefeitura de Salvador entrega 199 casas reformadas pelo Morar Melhor no Pero Vaz

A Prefeitura concluiu a reforma de 199 casas no bairro de Pero Vaz, através do Morar Melhor,  famílias que não tinham condições financeiras de arcar com o custo das intervenções. A entrega dos imóveis foi feita pelo prefeito Bruno Reis e pelo titular da Secretaria Municipal de Infraestrutura e Obras Públicas (Seinfra), Luiz Carlos, nesta segunda-feira (3), em solenidade simbólica na Rua Meireles. 
 
O bairro já havia sido contemplado com o Morar Melhor nos últimos anos, com a reforma de 266 casas em situação precária. Com isso, Pero Vaz já tem 465 imóveis alcançadas por meio da iniciativa. 
 
O prefeito Bruno Reis lembrou que o programa se tornou um caso de sucesso, inspirando inclusive outras cidades do país a fazer ação semelhante. “É no lar que as pessoas conseguem descansar, educar os filhos, receber vizinhos e familiares para bater um papo. Não há nada mais importante para o indivíduo do que a própria casa. E esse é o propósito do trabalho da Prefeitura: ajudar a melhorar a vida das pessoas, sem que elas precisem mudar de endereço”, destacou.
 
A casa da doméstica Jandira Maria do Espírito Santo, de 62 anos, ganhou novas louças sanitárias, telhado, reboco e pintura. “A minha casa era toda ‘crua’. A laje não tinha cobertura, então a gente tinha que colocar um plástico para não pingar, em dias de chuva molhava tudo, era muita infiltração. Nunca tinha planos para fazer uma reforma, porque o dinheiro só dá pra comprar comida e ajudar a família. Agora a reforma é uma realidade, graças à Prefeitura”, relatou.
 
Em seis anos de projeto já são 33 mil casas em mais de 150 localidades da capital baiana. Os serviços são escolhidos em conjunto com cada morador. São feitos desde pintura, reboco, recuperação ou troca de telhado até troca de esquadrias (portas e janelas) e instalações sanitárias. O valor máximo de investimento em cada imóvel atualmente é de R$7 mil. 
 
Criado pela Prefeitura em 2015, o Morar Melhor é coordenado pela Seinfra e possibilita a melhoria das condições sanitárias das habitações contempladas pelo programa, promovendo maior salubridade às edificações.  
 
Os critérios adotados para a seleção dos imóveis são a precariedade dos bairros, baseado em dados do IBGE; maior predominância de domicílios com alvenaria sem revestimento; maior predominância de pessoas abaixo da linha de pobreza, com renda per capita inferior a R$85; maior predominância de mulheres chefe de família; maior densidade habitacional e precariedade habitacional obtida pela observação de campo.  
 
Não são contemplados imóveis em situação de risco cadastrados pela Defesa Civil (Codesal), imóveis de aluguel e famílias que apresentem renda superior a três salários mínimos.

Fonte: Correio