Dado vê Bahia superior e diz que segue na briga por vaga: 'Vivos'

O Bahia sofreu com erros individuais no empate com o Independiente, por 2×2, na noite desta terça-feira (4), em Pituaçu. Luiz Otávio e Renan Guedes cometeram pênaltis que geraram os dois gols argentinos. No segundo tempo, Thaciano e o próprio Luiz Otávio empataram em 2×2. Mas, quando tinha a chance de fazer o terceiro gol, Gilberto desperdiçou penalidade sofrida por Maycon Douglas.

Após a partida, o técnico Dado Cavalcanti lamentou os erros, mas disse acreditar que o Bahia foi superior em toda partida, e comemorou o poder de reação da equipe.

“Entendo que realmente erramos em erros cruciais. Mas entendo que nossa equipe foi superior ao nosso adversário em todo momento do jogo. O segundo tempo foi muito mais na base da superação, da entrega. O primeiro tempo, tecnicamente, foi até melhor. Concordo que, no segundo, precisávamos ir atrás, tínhamos o placar adverso, disse o treinador.

“Enalteço nosso espírito de luta, nossos jogadores se entregaram ao extremo. Buscamos o placar, não nos contentamos apenas com o empate, buscamos o triunfo. Poderíamos ter saído com o triunfo, acho que merecíamos pela entrega, dedicação, forma que nós sobressaímos em um campo com condições difíceis. No segundo tempo, ficou muito mais evidente, mas também valorizo o primeiro tempo tecnicamente, tirando alguns erros aleatórios que nos fizeram correr atrás do placar o tempo inteiro”, continuou.

Com o empate, o Bahia segue na segunda posição, a dois pontos do líder Independiente. Apenas o primeiro colocado de cada grupo avança. Faltam três jogos, sendo que o Esquadrão fará dois fora de casa. Mas Dado segue na confiança que o tricolor se classificará.

“[O grupo] está totalmente aberto. O Independiente continua à nossa frente, mas só dependemos das nossas forças. Teremos um confronto contra eles fora de casa. Tem três jogos pela frente. No nosso grupo, existe uma equipe muito bem organizada tecnicamente, que é o Montevideo City Torque, que ainda enfrentará o Independiente em Montevideo. Creio que está tudo em aberto. Primeira fase, provavelmente, vai ter desfecho só na última rodada”, comentou.

“Os erros foram talvez significativos hoje em termo de gols tomados e não feitos, mas acredito muito que estamos muito vivos no campeonato, são dois pontos a distância para o líder. Está tudo em aberto”, afirmou Dado.

O zagueiro Germán Conti também avaliou a atuação do Bahia e destacou a busca pelo empate.

“Acredito que foi uma partida em que nós propomos o jogo. No segundo tempo, ficou complicado jogar e entendemos que o jogo era ser mais direto com os atacantes. Creio que foi uma grande atitude da equipe, continuamos crescendo, acreditando na virada, ficamos muito perto. O grupo segue aberto, há rivais muito competitivos”, comentou.

“A atitude, a entrega. Não desistimos. Ficamos muito perto, queríamos ganhar”, seguiu Conti.

O zagueiro ainda lamentou o estado do gramado, que ficou encharcado por conta da forte chuva que caiu em Salvador. “Foi muito difícil, principalmente no segundo tempo. No primeiro tempo, conseguíamos circular a bola. Depois, com a intensidade da chuva, complicou bastante. Mas temos que nos acostumar com as condições climáticas de cada jogo”.

Confira outros trechos da entrevista de Dado

Escolha por Gilberto para bater o pênalti 
Tenho alguns jogadores que são cobradores, G1 e G2 de cobradores. Gilberto, Rodriguinho, já falei do Galdezani. Não vejo apropriado falar agora, pelo fato dele ter perdido pênalti, e responder por que não Rodriguinho [bateu o pênalti]. Ele poderia bater, converter e também perder. Isso faz parte. Estamos todos chateados, Gilberto está triste pela perda do pênalti. Não vou fazer juízo de escolhas neste momento.

Reação pode ser combustível para temporada?
Pode, sim. Deixo meu recado, minha valorização por tudo que fizemos no segundo tempo. Enfrentamos um adversário qualificado, com histórico em competição sul-americana. E não nos contentamos com empatar com esse adversário. Brigamos, lutamos, queríamos o triunfo. Acho que o mais importante neste momento é o poder que tivemos no vestiário de indignação. Ninguém ficou satisfeito com o empate. Precisamos evoluir, mas sabemos que estamos na luta e podemos classificar.

Mudanças no segundo tempo
Nós temos um grupo que vem se mostrando mais forte. Hoje tive que fazer troca no primeiro tempo. No segundo tempo, tentei que mudar desenho do jogo, posicionei um jogador mais interno, que é o Thonny. E a última cartada foi no tempo certo, quando tirei três jogadores de dentro, do meio [Patrick, Daniel e Thaciano] e posicionei dois atacantes [Maycon e Alesson] e um volante de contenção [Jonas]. Isso é timing. Não entendo que as trocas vieram em momentos ruins, mas no tempo certo, que precisava. E acredito que aconteceu.

Fonte: Correio